Aldir Blanc, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos, morreu nesta segunda (4), aos 73 anos, em decorrência da Covid-19. As informações são da Folha de São Paulo. Blanc foi o autor de clássicos como “O Bêbado e o Equilibrista”.

O compositor estava internado na UTI do Hospital Universitário Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro, desde o último dia 15 de abril.

Nos anos 1960, Aldir dividia seu tempo entre a música e a medicina, curso em que se formaria com especialidade em psiquiatria. Foi nesta década que ele participou de diversos festivais da canção, compondo músicas interpretadas por Clara Nunes, Taiguara e Maria Creuza.

Ouça mais novidades musicais na nossa página Novos Sons!
Leia mais críticas de novos discos aqui na Revista O Grito!

No início dos anos 1970, abandonou a medicina para se dedicar exclusivamente às artes. E foi nesta década que ele compôs o seu maior sucesso. Com a parceria de João Bosco e na voz de Elis Regina, o mundo conheceu O bêbado e o equilibrista.

Em 1978, publicou as crônicas Rua dos Artistas e arredores. Em 1981, Porta de tinturaria (1981). As duas obras foram reunidas, posteriormente, em 2006 na edição Rua dos Artistas e transversais, que ainda trouxe 14 crônicas escritas para a revista Bundas e para o Jornal do Brasil. [Com informações da Folha e Agência Brasil]

Leia Mais
Com batidão eletrônico e nostalgia, Lady Gaga entrega tudo o que os fãs queriam