O fundador da livraria , um dos espaços mais importantes para a cena literária e cultural de Pernambuco, , morreu nessa segunda (25), aos 73 anos, em decorrências de complicações causadas pela Covid-19.

Fundada nos anos 1970, a livraria localizada na Rua Sete de Setembro, no bairro da Boa Vista, Centro do Recife, era um ponto de encontro para estudantes, artistas, intelectuais e amantes dos livros em geral, tornando-se um marco para as gerações literárias de Pernambuco.

O espaço congregava lançamentos e reunia os grandes nomes da literatura pernambucana, como Hermilo Borba Filho, Antônio Torres, Nagib Jorge Neto, José Mário Rodrigues, Joaquim Cardozo, Gilberto Freyre e João Cabral de Melo Neto, além de promover vários eventos, como recitais, debates, projeções de filmes em super-8, exposições/performances e torneios de xadrez.

Por ser muito mais do que uma livraria, a Livro 7 era um verdadeiro polo cultural da cidade e foi pioneira em conceitos utilizados por grande livrarias atualmente, como espaços amplos, cadeiras para leitura e eventos que ultrapassavam as barreiras das literatura, fatos que permitiram sua expansão para mais três estados do Nordeste: Ceará, Paraíba e Alagoas.

A Livro7 nos anos 1970. Livraria já foi a maior do Brasil. (Foto: Reprodução/Twitter).

Mesmo após o encerramento da Livro 7, em 1998, o seu fundador permaneceu dedicando-se ao ramo dos livros. Além de integrar a diretoria da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), ele mantinha sua própria editora, a Tarcísio Pereira Editor, no bairro da Madalena.

“Tarcísio era um verdadeiro amante dos livros. Seu trabalho incansável à frente da livraria foi responsável por revelar grandes talentos e por movimentar durante anos a cena cultural pernambucana. Sua partida deixa uma lacuna que dificilmente será preenchida”, ressaltou o presidente da Fundarpe, Marcelo Canuto.

O diretor de cinema Kléber Mendonça Filho (Bacurau), disse que Tarcísio tinha a capacidade de melhorar uma cidade. “Tem gente que tem a capacidade de melhorar uma cidade. Tarcísio fez isso. Uma livraria gigante, que juntava e impactava as pessoas. Viva a Livro 7”.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara divulgou nota de pesar. “Quero expressar aqui meu pesar aos familiares e amigos de Tarcísio, nesse momento de dor. Um potiguar que marcou época e influenciou gerações com a sua icônica Livraria Livro 7, na Boa Vista, no Centro do Recife. A Livro 7 abriu as portas em 1970 num espaço de 20 metros quadrados e, graças ao amor de Tarcísio pela literatura, se transformou num complexo cultural registrado pelo Guiness Book como a maior livraria do Brasil”, disse no texto.

“Com a morte de Tarcísio, Recife perde um pouco da sua história”, disse a historiadora e vereadora eleita no Recife Dani Portela. “Muito além de livros, ele nos presenteava com memórias de um Recife que a gente quer reencontrar.” [Com informações da Cultura PE]

Leia Mais
Banda de punk-rock pernambucana Bizouro Verde comemora 20 anos com disco ao vivo