animage

O – Festival Internacional de Animação de Pernambuco divulgou a lista dos curta-metragem selecionados para a Mostra Competitiva deste ano. Foram 1057 inscrições de 64 países, o que indica a força e diversidade da animação autoral no mundo hoje. A curadoria do festival acabou fechando em 84 trabalhos, que integram a Mostra Competitiva.

Todos os filmes selecionados para a Mostra Competitiva serão exibidos na programação do Animage e concorrem nas categorias “Melhor Curta-Metragem – Grande Prêmo Animage”, “Melhor Curta Infantil”, “Melhor Curta Brasileiro” e “Melhor Filme – Escolha do Público”, os finalistas receberão premiações em dinheiro. Os eleitos nas categorias melhor direção, roteiro, direção de arte, técnica e som recebem troféu.

O Animage acontece de 22 a 27 de novembro em nove locais do Recife, como CAIXA Cultural Recife, Cine São Luiz, Cinema do Museu e Aliança Francesa, além de exibições ao ar livre e em hospitais.

“Na escolha dos filmes, procuramos reafirmar uma identidade para o festival, com a valorização de produções que sejam autorais, artesanais, ousadas e independentes, com pelo menos uma ou mais de uma dessas características. Não há uma temática geral, mas as próprias obras sugerem que alguns assuntos estão em evidência, como questões de gênero, preocupações ambientais e interferências das novas tecnologias sobre o cotidiano do ser humano”, disse Júlio Cavani, curador desta edição do festival, via e-mail.

A programação é quase toda gratuita ou a preço simbólico, e inclui Mostra Competitiva (adulto e infantil), Mostra Parque, Mostra Erótica, Mostras Especiais, longas, oficinas, masterclass e exposição. Está prevista ainda uma ação ambiental, através de distribuição de 3 mil sementes de árvores da Mata Atlântica.

Veja os selecionados deste ano:

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS
Novell, de Inka Matilainen (Finlândia)
Hummingbird’s Wings, de Dustin Grella (Estados Unidos)
La Vie Magnifique Sous L’eau, de Joël Vaudreuil (Canadá)
Kinki, de Isumi Yoshida (Polônia)
Yöperhonen, de Annika Dahlsten (Finlândia)
Stop Peeping, de Wong Ping (Hong Kong)
Giz, de Cesar Cabral (Brasil)
Dinner For Few, de Nassos Vakalis (Estados Unidos)
The Noise, Pooya Razi (Canadá)
The Five Minute Museum, de Paul Brush (Reino Unido)
Brutalism, de Jessica Poon (Estados Unidos)
Até a China, de Marão (Brasil)
Historias Contaminadas, de Denis Chapon (Argentina)
Saison 1992, de Brigitte Archambault (Canadá)
Elu Herman H. Rott’iga, de Chintis Lundgren (Estónia)
Beach Flags, de Sarah Saidan (França)
100 Años Genocidio Armenio, de Pablo Gostanian (Argentina)
A Single Life, de Job Roggeveen, Joris Oprins e Marieke Blaauw (Países Baixos)
Rock is Not an Attitude, de Xiaoxiao Tang (Estados Unidos)
Hipopotamy, de Piotr Dumala (Polônia)
Sieben Mal am Tag beklagen wir unser Los und nachts stehen wir auf, um nicht zu träumen, de Susann Maria Hempel (Alemanha)
Ruben Leaves, de Frederic Siegel (Suíça)
Skameiki Np. 0458, de Ivan Maximov (Rússia)
Sonder During End Times, de Stephanie Delazeri (Estados Unidos)
En Heng, de Wang Yu-zi (China)
Sonambulo, de Theodore Ushev (Croácia)
Sick Building Syndrome, de Chun-Tien Chen & Che-Yu Yang (Taiwan)
The Deal, de Ewa Smyk (Polônia)
Un obus partout, de Zaven Najjar (França)
Parallel Lines, de Valentina Stanislavskaia (Estados Unidos)
Rasgo, de Diego Akel (Brasil)
Cachorro Loko, de Igor Shin Moromisato (Alemanha)
Me by You, de David Buob (Alemanha)
A Love Story, Anushka Kishani Naanayakkara (Reino Unido)
The Wrong End of the Stick, de Terri Matthews (Reino Unido)
Rascunho da Bíblia, de Márcia Deretti e Márcia Júnior (Brasil)
Radio Wave, de Ryotaro Miyajima (Japão)
Lá Vem a Papangusa, de Chia Beloto (Brasil)
Blue Eyes – in HARBOR TALE-, de Yuichi Ito (Japão)
L’heure du Thé, de Guillaume Blanchet (França)
Golden Egg, de Srinivas Bhakta (Singapura)
Animation Hotline, 2015, de Dustin Grella (Estados Unidos)
Petrova šuma, de Martina Mestrovic (Croácia)
What happens in your brain if you see a german word like…?, de Zora Rux (Alemanha)
O Ex-Mágico, de Mauricio Nunes e Olimpio Costa (Brasil)
Quacksalver, de Jorn Leeuwerink (Países Baixos)
Vieil Ours, de Chen Chen (França)
Däwit, de David Jansen (Alemanha)
Gyros Dance, de Piotr Loc Hoang Ngoc (Polônia)
Kosmos, de Daria Kopiec (Polônia)
Bárbara Balaclava, de Thiago Martins de Melo (Brasil)
Velodrool, de Sander Joon (Estónia)
Du Plomb dans la Tête, de Aurore Peuffier (França)
Peripheria, de David Coquard Dassault (França)
Sredi chernyh voln, de Anna Budanova (Rússia)
Fleischwelt, de Ara Jo (Alemanha)
Quando os Dias Eram Eternos, de Marcus Vinicius Vasconcelos (Brasil)
I Said I Would Never Talk About Politics, de Aitor Oñederra (Espanha)
Hereafter, de Natália Azevedo Andrade (Hungria)
Decorado, de Alberto Vázquez (Espanha)
Coda, de Alan Holly (Irlanda)
Caramelman, de Jihye Jung (Coréia do Sul)
Az Sarzaminhaye Sharghi, de Sarah Tabibzadeh (Irã)
Trial & Error, de Antje Heyn (Alemanha)
Opia, de Shanta Jethoe (Países Baixos)
Los Aeronautas, de León Fernández (México)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS INFANTIS
Utö, de David Buob (Alemanha)
Feathers, de Hands On Deck (Canadá)
Nimbus – O Caçador de Nuvens, de Marco Nick (Brasil)
Etwas, de Elena Walf (Alemanha)
Pyracantha, de Negareh Halimi (Irã)
Soberano Papeleo, de Lala Severi (Uruguai)
The Red Herring, de Leevi Lemmetty (Finlândia)
PAWO, de Antje Heyn (Alemanha)
Monsieur Lune, de Julien Seze (França)
Extra Champignons, de Lori Malépart-Traversy (Canadá)
Vagabond, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca)
El Pescador, de Willka Romero, Mayra Buxareo (Argentina)
Hypertrain, de Etienne Kompis & Fela Bellotto (Suíça)
Chiaroscuro, de Daniel Drummond (Brasil)
Koyaa – Roza, de Kolja Saksida (Eslovênia)
A Taste of Reign, de Stefan Katanić (Sérvia)
TIS, de Chloë Lesueur (França)
Fulfilament, de Rhiannon Evans (Reino Unido)

Cartaz foi assinado por Ianah Melo.

Cartaz foi assinado por Ianah Melo.

Sem mais artigos