Foto: Montagem sob Divulgação/Oscar.com.

Foto: Montagem sob Divulgação/.com.

Pela Equipe da Revista O Grito!

O Oscar deste ano, que acontece no próximo domingo (2) às 22h, voltou seus olhos para temas e humores que falam bastante sobre a América. Isso se dá após anos de edições louvando o cinema internacional e culturas estrangeiras. Este também é o ano de se celebrar o cinema enquanto grande invenção. Por isso não é surpresa que os dois filmes favoritos aos prêmios principais sejam e .

Leia Mais
Participe do bolão do NE10
Ela, o amor além do programado
Gravidade é um clássico do espaço

Confira os indicados deste ano

O longa de Steve McQueen sobre o período da escravidão não tem digestão fácil e chegou a ser acusado por um acadêmico de explorar a “porn violence”, ou seja, o exagero de violência apenas para chocar. Pura injustiça. O filme expõe com tenacidade o sofrimento pelos quais os negros sofreram em um passado não tão distante dos EUA. Não existe exploração estética da dor, mas sim um exame de consciência. A campanha para o filme vem chamando atenção para uma reparação histórica: nunca um diretor negro venceu o Oscar. Além disso, seria a primeira produção sob o ponto de vista dos negros, algo que tem bastante relevância.

No entanto, parte dos votantes pode optar por uma escolha menos controversa e mais fácil do ponto de vista político: Gravidade. O longa tem algo que a Academia adora, que é o esforço técnico em quebrar barreiras do fazer cinematográfico – e isso inclui a criação de novas tecnologias e a inovação na hora de filmar. Além disso, o longa de Cuarón tem um humanismo pouco visto em ficções-espaciais, o que o coloca em um panteão restrito de produções.

Entre os outros favoritos temos os dois atores de Clube de Compras Dallas, Matthew McConaughey e Jared Leto, que devem levar os prêmios de ator e ator coadjuvante respectivamente. O longa sobre os primeiros anos da aids nos EUA é outro a abordar um período histórico sob um ponto de vista fora do comum. Saem as histórias de superação pessoal e entra em cena o ativismo por tratamento.

Foto: Reprodução via CraveOnline.com.

Foto: Reprodução via CraveOnline.com.

Por mais um ano, a equipe da Revista O Grito! faz suas apostas sobre os indicados este ano – quem ganha e quem deveria. Simbora para esse grand prix da indústria do cinema que é o Oscar.

http://www.youtube.com/watch?v=B2UNiMIxOm0

MELHOR FILME
Quem ganha: 12 Anos de Escravidão
Quem deveria: 12 Anos de Escravidão
Zebra: Trapaça

A corrida da temporada de premiação começou com larga vantagem para Trapaça, longa de David O. Russell sobre a máfia nos anos 1970 e Hollywood, mas perdeu força logo após o Globo de Ouro em janeiro, onde venceu como melhor produção de comédia. Russell deve ter jogado algum feitiço sobre a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Só isso explica todos os seus filmes recentes serem ovacionados em indicações – O Vencedor, O Lado Bom da Vida e agora esse Trapaça. Apesar de seu talento em dirigir atores, é um autor sem muito viço, mas hypado como um dos grandes realizadores desse anos 2000. Passado o frisson por Trapaça, as apostas se concentraram das duas produções mais ousadas, tanto no tema quanto na estética – 12 Anos de Escravidão e Trapaça. O primeiro deve sair vencedor pela força histórica que o prêmio terá. Gravidade, apesar de ótimo filme, deve ficar para trás.

MELHOR DIREÇÃO
Quem ganha: Alfonso Cuarón, Gravidade
Quem deveria: Alfonso Cuarón, Gravidade
Zebra: David O. Russell, Trapaça

Como aconteceu em anos anteriores, os dois filmes favoritos dividem os prêmios principais da noite. E se em outras ocasiões “melhor direção” aparecia como uma espécie de “segundo lugar”, dessa vez será um prêmio coerente, caso seja entregue para Alfonso Cuarón. O mexicano foi inovador no modo de conduzir o longa, criou novas técnicas, orquestrou bem os efeitos especiais e sonoros e ainda tirou boas interpretações de seus dois únicos atores. É dele o prêmio. Como McQueen deve ficar com o melhor filme, David O. Russell pode fazer valer o seu hype e sair como zebra. Esperamos que não.

MELHOR ATOR
Quem ganha: Matthew McConaughey, Clube de Compras Dallas
Quem deveria: Chiwetel Ejiofor, 12 Anos de Escravidão
Zebra: Leonardo DiCaprio, O Lobo de Wall Street

Quem acompanha o Oscar sabe como a Academia adora uma transformação. Galãs que se enfeiam, gente que engorda/emagrece, deficientes físicos, desajustados sociais, etc. Mas, talvez nem seja por isso que Matthew McConaughey deva ganhar o prêmio. O ator conseguiu dar nuances a um personagem que poderia figurar como um herói da luta contra a Aids, mas que foi mostrado como um tipo controverso quase o tempo todo em que apareceu em tela. Além disso, McConaughey passou por uma reinvenção da carreira interessante, apostando em produções independentes com atuações mais desafiadoras. Deu certo e Clube de Compras Dallas parece coroar esse momento. Já Chiwetel Ejiofor tem um personagem igualmente difícil de interpretar e com uma carga dramática mais tensa. É um páreo duro, mas Ejiofor merecia mais. Por fora vem Leo DiCaprio em sua quinta indicação. Foi ótimo vê-lo assumindo todos os excessos possíveis – e rastejando na maior lombra já vista no cinema – em O Lobo de Wall Street. Mas não vai ser dessa vez (de novo).

MELHOR ATRIZ
Quem ganha: Cate Blanchet, Blue Jasmine
Quem deveria: Cate Blanchet, Blue Jasmine
Zebra: Amy Adams, Trapaça

Quem vai tirar o Oscar de Cate Blanchet? Ninguém. Entre as outras competidores, talvez Amy Adams em Trapaça possa bater a atriz por sua versatilidade. Mas ninguém foi melhor que Cate esse ano na sua interpretação de uma mulher em seu limite da razão após perder tudo, em Blue Jasmine. É pouco provável que as novas acusações contra Woody Allen atrapalhem esse prêmio. Com isso, Cate se tornará a quinta atriz dirigida por Allen a vencer um Oscar. Duvidamos bastante que o diretor volte a ser indicado alguma vez no futuro (a Academia foge de polêmicas).

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Quem ganha: Jared Leto, Clube de Compras Dallas
Quem deveria: Jared Leto, Clube de Compras Dallas
Zebra: Barkhad Abdi, Capitão Phillips

Aqui está a dobradinha de Clube de Compras Dallas, com a vitória de Jared Leto. Apesar de parecer um ator jovem para muita gente, Leto está atuando na indústria há anos, sempre dividindo espaço com sua banda, a 30 Seconds From Mars. Sua atuação mostra o quanto ele é um ator que se entrega nos papéis que consegue. A Academia gosta dessa imersão, misturado a uma transformação física radical, o que deve dar como certo esse Oscar. O estreante Barkhad Abdi, de Capitão Phillips, que era um motorista antes de atuar no longa, pode surpreender. Ele venceu o Globo de Ouro e pode ganhar mais esse prêmio, o que serviria de incentivo a continuar tentando a sorte no meio.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Quem ganha: Lupita Nyong’o, 12 Anos de Escravidão
Quem deveria: Lupita Nyong’o, 12 Anos de Escravidão
Zebra: June Squibb, Nebraska

Uma das melhores surpresas dessa temporada de prêmios foi mesmo Lupita Nyong’o, a atriz nascida no México e criada no Quênia, que começou atuando no teatro até ser revelada por McQueen. Sua interpretação tem tanta força que fica repercutindo por dias mesmo depois do espectador sair da exibição. Em 12 Anos de Escravidão ela interpreta uma escrava em uma plantação de algodão que pouco fala ou reclama dos abusos que sofre, até que explode. Apesar de Jennifer Lawrence ser queridinha entre os votantes, ganhar por dois anos seguidos seria exagero. Mas é bom lembrar que June Squibb, de Nebraska, pode levar, já que o Oscar costuma entregar prêmios a atores veteranos que sempre foram esquecidos pela Academia.

http://www.youtube.com/watch?v=gvlj2nGczoI

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Quem ganha: Spike Jonze, Ela
Quem deveria: Spike Jonze, Ela
Zebra: Eric Warren Singer and David O. Russell, Trapaça

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Quem ganha: John Ridley, 12 Anos de Escravidão
Quem deveria: John Ridley, 12 Anos de Escravidão
Zebra: Richard Linklater, Julie Delpy, Ethan Hawke, Antes da Meia-Noite

Na área dos roteiros, os prêmios das guildas podem fazer muita diferença, com Spike Jonze, de Ela, levando novamente o prêmio de “roteiro original”. No entanto, o Writers Guild Awards (WGA) esnobou 12 Anos de Escravidão, nem sequer indicando-o para “melhor roteiro adaptado”. Por isso, no Oscar, levando em conta a força que o filme conseguiu nos últimos meses, John Ridley deve sair vencedor. E ele merece mesmo: pegou um livro do século retrasado, esquecido pela maioria dos americanos, e o deu vida em tela de maneira contundente. Já Jonze, que vem vencendo todos os prêmios nessa categoria, será celebrado por trazer uma abordagem ousada para uma história de amor.

MELHOR ANIMAÇÃO
Quem ganha: Frozen
Quem deveria: Vidas ao Vento
Zebra: Vidas ao Vento

Sem um candidato da Pixar, a categoria este ano perde força, sem nenhum dos indicados figurando como algo realmente memorável. Frozen deve levar por causa da gigantesca campanha da Disney, mas está longe do melhor momento do estúdio. Hayao Miyazaki deveria ganhar com seu Vidas ao Vento, um trabalho bonito e poético que é também a despedida do diretor japonês na tela grande. Não é um clássico como A Viagem de Chihiro, mas ainda assim um filme superior aos demais. Ganha apenas se os votantes se atinaram para a questão histórica que está em jogo.

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Quem ganha: A Um Passo do Estrelato
Quem deveria: O Ato de Matar
Zebra: The Square

O Ato de Matar é um dos melhores filmes feitos em 2013 e aborda de uma maneira origina o massacre de civis na Indonésia. No entanto, o trabalho de Joshua Oppenheimer é muito violento e explícito, o que não faz muito o estilo da Academia. Por isso, os votantes deverão votar por algo mais edificante, como A Um Passo do Estrelato, sobre cantoras de soul nos EUA. Ou mesmo The Square, sobre a revolução feita pelos jovens no Egito.

http://www.youtube.com/watch?v=MBYMEYI3qWM

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Quem ganha: A Grande Beleza
Quem deveria: A Grande Beleza
Zebra: Alabama Monroe

O italiano Paolo Sorrentino vem ganhando todos os prêmios de “melhor filme estrangeiro” por A Grande Beleza até agora e será difícil alguém tirar esse prêmio dele. O trabalho discorre sobre uma Roma opulenta, mas fútil e decadente. Ainda por cima, faz referências a clássicos do cinema italiano, o que o Oscar adora. Quem corre por fora é o drama belga Alabama Monroe, mas as chances são ínfimas.

MELHOR TRILHA SONORA
Quem ganha: Steven Price, Gravidade
Quem deveria: Win Butler e Owen Pallet, Ela

MELHOR CANÇÃO
Quem ganha: “Let It Go”, Frozen
Quem deveria: “The Moon Song”, de Ela
Zebra: “Ordinary Love”, de Mandela

Apesar de ter John Williams, vencedor de nada menos que cinco Oscar, na parada por A Menina Que Roubava Livros, o prêmio de “trilha sonora” desse ano deverá ir para Gravidade. Steven Price conseguiu prender a atenção do público e embalar a solidão e o nervosismo no espaço, fazendo a música atuar quase como um personagem no longa de Alfonso Cuarón. Nossa escolha vai para o trabalho que o Arcade Fire fez em Ela, dando clima e ajudando a firmar a identidade do longa, mas dificilmente levará. Na parte das canções, novamente Ela deveria sair vencedor, com a bela canção interpretada por Karen O. Mas o Oscar deve lembrar o feijao-com-arroz que é a faixa de Frozen, “Let It Go”.

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM
Quem ganha: Clube de Compras Dallas
Quem deveria: Clube de Compras Dallas

MELHOR FIGURINO
Quem ganha: O Grande Gatsby
Quem deveria: 12 Anos de Escravidão
Zebra: Trapaça

O longa de Baz Luhrman foi esquecido pelo Oscar (merecidamente), mas deve sair com prêmios de “figurino” e, talvez, “design de produção”. Já Clube de Compras Dallas, pela transformação que fez de seus atores principais deve ganhar como “melhor cabelo e maquiagem”.

Os prêmios técnicos vão ao espaço

E por fim, chegamos aos prêmios da área técnica. Alguém tem dúvida de quem praticamente nenhuma produção conseguirá bater Gravidade nesse quesito? O longa de Alfonso Cuarón não apenas executou muito bem toda a técnica que o dinheiro pode comprar. Ele também foi ousado na abordagem, inventou novas maneiras de fazer cinema. Seu longa trouxe inovação para a área de efeitos especiais e fez bom uso da edição, fotografia e som para criar o clima necessário para mostrar o desespero no espaço. Por isso, e com merecimento, deve carregar para casa todos os Oscar nessa área.

MELHOR FOTOGRAFIA
Quem ganha: Gravidade (Emmanuel Lubezki)
Quem deveria: Gravidade (Emmanuel Lubezki)
Zebra: Nebraska (Phedon Papamichael)

MELHOR EDIÇÃO
Quem ganha: Gravidade
Quem deveria: Gravidade

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
Quem ganha: Gravidade
Quem deveria: Gravidade
Zebra: Capitão Phillips

MELHOR MIXAGEM DE SOM
Quem ganha: Gravidade
Quem deveria: Gravidade
Zebra: Capitão Phillips

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
Quem ganha: Gravidade
Quem deveria: Gravidade

O Oscar deste ano acontece no domingo de Carnaval, às 22h, com exibição ao vivo pela TNT.

Sem mais artigos