DIFÍCIL DE ACREDITAR
Ausência de ETs, excesso de intimidade, novo longa da não funciona nem como filme para fãs
Por Lidianne Andrade

ARQUIVO X – EU QUERO ACREDITAR
Chris Carter
[X-Files: I Want to Believe, EUA, 2008]

Depois de cinco anos de ausência de qualquer comercial ou reprises, os fãs do seriado americano mais famoso da década de 90 Arquivo X, já haviam perdido as esperanças de rever a dupla de agentes do FBI Dana Scully (Gillian Anderson) e Fox Mulder (David Duchovny). Após muito pensar, a mente criadora por trás da série, Chris Carter, resolveu voltar à ativa, dirigindo e assinando o roteiro de Arquivo X: Eu Quero Acreditar, com estréia mundial na última sexta-feira, 25 de julho. Mas será que o segunda longa em 10 anos de série era mesmo necessário?

Não mais agentes federais, Fox está no exílio após sua expulsão do Arquivo X e Dana segue sua profissão como médica. Mulder é convidado pela federal Dakota Whitney (Amanda Peet) para ajudar a encontrar uma agente desaparecida supostamente por fenômenos sobrenaturais. Um ex-padre pedófilo, Joseph Crissman, (Billy Connolly, com sua condição criminal frisada várias vezes no roteiro até o esgotamento para tirar sua credibilidade) teve visões do crime, tornando-se a chave para o mistério e fazendo necessário a presença dos especialistas em mundo estranho. Tráfico de órgãos, perseguição, cabeças cortadas e experiências científicas com humanos entram na trama para aumentar a emoção e tentar disfarçar a real intenção do filme: reunir novamente um dos casais mais famosos da polícia federal americana.


Antes tensão sexual que servia de mote para a trama, agora Mulder e Scully já dormem juntos

Diferente do primeiro longa de 1998 no cinema, enquanto a série ainda estava no ar, Eu Quero Acreditar vem ao alcance de todos. A intenção do filme é soar entendível para os não-iniciados na trama de conspiração, espécie de episódio spin-off. Por este motivo, os extra-terrestres são deixados para trás. Cris Carter deu preferência ao velho blockbuster americano de mistério e perseguição policial, talvez um primo pobre da trama Zoodíaco envolvendo um suposto assassinato em série. Fica a pergunta: onde estão os homenzinhos verdes? Talvez respondida no nome do filme: quer-se acreditar, mas talvez não sejam reais.

Mesmo com a mão do criador Carter, muita coisa mudou da série e do último longa para cá. A começar pelos protagonistas principais. Armas na cintura, ternos negros e sapatos sem graça deram lugar a calças jeans, sobretudos e batas médicas. Scully agora com madeixas naturais carameladas, deixou cair de seu figurino os mais de 10 anos de trabalho dedicados ao FBI. Mulder começa barbudo, mostrando o peso da experiência no visual. Maduros, conversam sobre relacionamento abertamente, com direito a “dormir de conchinha” e crise de ciúmes de Scully contra a agente Whitney. A intimidade aumentou, apagando um dos pilares de Arquivo X, a tensão sexual entre os dois agentes. Quando o padre diz pra Scully que ela deveria conversar com seu marido, ela emendada rápido um “não sou casada”. Ficou só na conchinha mesmo.


Trama confusa e atabalhoada marcou a pausa na aposentadoria dos agentes

“Eu quero acreditar”, com orçamento baixíssimo de U$ 35 milhões (o anterior custou U$ 66 milhões), vem para cumprir sua função de acalentar os fãs, mas de fato este não é um filme feito para eles. Como filme, um thriller policial regular, com perseguições na neve, surgimento de novas pistas responsáveis pelos pontos de virada mais inacreditáveis da história e a velha credibilidade da fonte eternamente em cheque, nesse caso um ex-padre acumulando 37 casos de pedofilia na ficha. Como continuação na série… bem, homenzinhos verdes não estão lá, o beijo tão esperado na telona entre o casal do ano vem tão clichê que perde metade do glamour. Nenhuma resposta ficou sem ser respondida. Aparentemente, o Arquivo X foi fechado definitivamente.

NOTA: 4,5

[+] SÉRIE MARCOU GERAÇÃO DOS ANOS 90 E PROMETE NOVOS PÚBLICOS EM DVD
[+] FATOS CURIOSOS SOBRE OS SÉRIOS AGENTES DO FBI

SAIBA MAIS
Canal do Youtube: youtube.com/ArquivoXdois
Comunidade do Orkut: www.orkut.com.br
Facebook: www.facebook.com/pages/X-Files-I-Want-to-Believe

[youtube]http://youtube.com/watch?v=MdPxr3-bSOg[/youtube]

  1. Vi todos os episódios de Arquivo X desde a estréia, então acredito que posso me considerar “fã”. Apesar de boas séries de suspense terem aparecido, ainda não vi nada que chegasse perto dessa série já considerada”classica”. Arquivo X teve muitos episódios antológicos e alguns apenas medianos, principalmente nos anos finais (os motivos já conhecemos).
    Fui ao cinema com a expectativa de rever meus personagens favoritos após muitos anos numa história inédita e de ver um grande roteiro para “monstro da semana”. A primeira foi devidamente cumprida mas infelismente me decepcionei com a trama. Acho que ficou muito aquém do que os roteristas da série poderiam produzir. Alguem sabe quem escreveu o roteiro? Foram as mesmas pessoas que contribuiram para o seriado (principalmente os anos 4 e 5 ?).
    Acho que preferiria que CC produzisse um DVD com episódio duplo (para velhos e novos fãns). Assim, talvés tivesse menos “amarras” criativas e até fosse economicamente viável. Que pena. Fui ao cinema ontem e eramos umas 10 pessoas no máximo. Acho que outro filme para telona será inviável. Tomara que Duchovny e Anderson topem outro tipo de midia.
    Ah… o relacionamento. Acho que foi ok a intimidade mostrada, afinal após alguns anos era esperado esta “evolução” pelo que se insinuava na série.

  2. Lilly Soares,
    Você realmente não viu ou não quis ver? No caso de não ter visto, talvez algumas doses de Metilfenidato 20mg de 2 a 3 vezes ao dia, ou Atomoxetina 40mg 1 vez ao dia ajude; procure seu médico.
    Colocar na dieta peixes, produtos ricos em ômega 3, morango, Kiwi e retirar frituras e doces também podem colaborar.
    Recomendo também, pelo momento, a leitura de Kafka, o que pode ser útil para exercitar a interpretação de textos e, por tabela, adquirir um pouco mais de cultura, já que é sempre bom para todos nós. É possível que reler uma gramática seja também necessário para reabilitação mas significativa.
    Abraço

  3. Olá Lilly!

    Claro que o filme é baseado na série, por isso é necessário fazer todo o contexto para que, quem não viu, entenda um pouco.
    Mas os argumentos mais fortes que usei foram baseados na série.
    O filme é sim baseado em uma série, mas não concorda que, quando entra nas salas de cinema, é um outro caráter? Caso contrário, seria lançado apenas em DVD ou na TV, como continuação. Penso que, da forma que o roteiro foi escrito, qualquer ator poderia ter assumido os personagens e em nada mudaria a história.

    Entendo que você não gostou da crítica e é super legal ter esse retorno, para meu melhoramento e também dos que fazem a revista. Existe a opção de bloquear comentários, mas então, para quer escrever em um meio tão legal que é a internet? Verdade que alguns comentários foram de caráter pessoal e pejorativos, mas é importante ter esse retorno. Caso contrário, não escreveria em uma revista digital.

    Bom fim de semana!

  4. Vale lembrar que, crítica de filme é apenas para o filme, a série não deve ser considerada, porque o que está em jogo é a obra que vai para a grande tela.
    Beijos a todos!

    Discordo, o filme é baseado na série e portanto, conexo com a mesma. E, também nunca quis dizer ou impor, que você teria que ter gostado do filme, mas que você fez comentários infundados sobre a série, isso fez sim e, como você mesma já disse, não mudo minha opinião. Fora que, como jornalista, eu prefiro me informar antes sobre um assunto, em vez de criticar só por criticar, até porque qualquer um faz isso, nem precisa ser jornalista.

  5. Vale lembrar que, crítica de filme é apenas para o filme, a série não deve ser considerada, porque o que está em jogo é a obra que vai para a grande tela.
    Beijos a todos!

  6. Lidianne,

    Sua crítica demonstra a falta de um mínimo conhecimento acerca da série Arquivo-X. Primeiro, porque é generalizante, como qualquer desinformado, acha e insiste em dizer que a série era só sobre alienígenas. Segundo, dá a entender que um dia, sem mais nem menos, Chris Carter resolveu fazer o filme e, o fez sem vontade. Não é bem assim, ainda com a série no ar, quando David Duchovny anunciou sua saída para tentar carreira no cinema, já havia ficado acertado que ele permaneceria interpretando o Mulder em franquias para o cinema e, em 1998 qdo do lançamento do primeiro filme, já se cogitava a realização de um segundo filme. Problemas judiciais com a Fox, e também, aquela fatídica greve de roteiristas acabaram por provocar o atraso da produção. E, faltou se informar que na oitava temporada da série, nos poucos episódios em que David apareceu, já se começava a observar a mudança na relação dos agentes Mulder e Scully, que caminhava numa direção mais intimista. Principalmente com o nascimento de Willian. Ah, faltou vc se informar também, que ainda durante a exibição da série, Chris Carter sofria pressão dos Excers Shippers, que ansiavam por um relacionamento amoroso mais explícito entre os dois agentes. Então dizer que o relacionamento mais íntimo deles no filme é desconexo com a série… Ah, e seu pior erro, sem dúvida foi dizer que o filme não considerou os fãs. Muito pelo contrário, o filme priorizou os fãs. Me desculpe, mas dizer que I Want Believe priorizou os não fãs da série, é a demonstração de falta de mínima informação sobre a série!

    P.S: Para o anônimo que se esconde sob o pseudônimo de CGB Spender, onde está técnica em seu comentário?

  7. Só estou escrevendo para dizer que concordo com a opnião do pessoal, mas cada um tem direito a opnião propria, então eu respeito a sua, mesmo sem concordar com o que foi escrito…

    Sr. X

  8. O discurso da rapaziada fanática pelo nome da série é muito semelhante com aqueles que testemunha-se nas comunidades de religiosos espalhadas pelo orkut. O ataque pessoal e a máxima: Chris Carter falou desde que tinha 5 anos de idade que tal coisa ia ser assim, são as únicas argumentações que o grupo consegue lançar mão. Comentário técnico é o que quero ver, minha gente. Crítica à crítica deve ter muito mais fundamento técnico.
    Se basear na relação entre os dois personagem já pode ser considerado um erro, quando se olha pra história principal. O nome do filme feito por Chris Carter, poderia mundo bem ser outro, pois não havia Arquivo-X propriamente dito nesse longa. O padre pedófilo era um vidente muito “meia-boca”. Basicamente um filme de suspense comum, com romance comum entre os personagens, um antagonista psicopata comum.. Enfim, um filme comum muito abaixo de muitos outros do mesmo gênero; absolutamente nada de Arquivos X, que por definição, tratam-se de casos do FBI, cujas explicações convencionais não podem ser aplicadas – exclusivamente casos envolvendo fenômenos paranormais. Alias, os Arquivos X existem antes dos protagonistas, datando de épocas em que Fox Mulder siquer trabalhava no FBI. Desta forma, atribuir o nome Arquivo X ao longa do Chris Carter é uma grande forçação de barra, já de Arquivo X só temos os 3 personagens .
    Para quem era doentiamente apegado a série, é uma forma de rever os agentes, vê-los mais uma vez em ação, que ao meu ver, é o único ponto positivo deste longa.
    Boa noite a todos, e peço a gentileza de serem mais educados nas próximas postagens.
    C. G. B. Spender

  9. C.Carter avisou, durantes 6 anos seguidos, que o 2o. filme de Arquivo não teria homenzinhos verdes, nem cinzas, nem verdes e nem azuis, ou seja, que o filme não teria a presença de ETs e nem trataria da Mitologia ou de Conspirações governamentais, mas parece que você não sabia disso, Lidianne.

    Gostar ou não de um filme é uma questão pessoal. Mas, sugere-se que, antes de escrever uma opinião, as pessoas procurem se informar sobre o que assistiram. Menos do que isso não dá para cobrar… isso é a ‘lição de casa’ para qualquer pessoa que vá comentar sobre qualquer tema ou assunto.

    E você, Lidianne não fez isso, infelizmente.

    Beijos na boca entre Mulder e Scully são raríssimos na série. Dá para contá-los nos dedos de uma mão e ainda sobrarão alguns dedos, com certeza. Beijo na boca tivemos apenas 2 em 9 anos: no episódio ‘Millennium’, em ‘Existence’ e em ‘The Truth’.

    O que tivemos mais foram beijos na testa, seguradas de mão, que eram as maneiras pelas quais C.Carter encontrou de mostrar que havia um ‘algo mais’ entre os 2 sem escancarar o relacionamento.

    ‘Nenhuma resposta ficou sem ser respondida’?? como assim? que eu saiba o que são respondidas são as perguntas e não as respostas.

    Esse seu texto, Lidianne, é lamentável, tanto são os erros que constam nele!!!

  10. “novo longa da Arquivo X não funciona nem como filme para fãs” vc tem certeza disso??? Porfavor, antes de escrever qualquer coisa aqui se informe primeiro ;)
    cada um tem sua opinião sim, respeito a sua… mas tbm respeite a nossa por ter gostado do filme!!! E não “esculache” este, como se fosse qualquer filme!!! =D

    se you 8)

  11. Acho que a senhora deveria buscar mais informações antes de fazer suas criticas. Criticar com embasamento é uma coisa, criticar por criticar é bobagem. O nome do David está escrito errado, até na wikipedia não vemos erros desse tipo. Voce comprou seu diploma? rs.. Desde quando Arquivo X fala apenas sobre ETs? Chris Carter disse que o filme iria focar na relação de Mulder e Scully. Voce deveria ver as temporadas antes de falar do filme e reclamar porque Scully não está de terninho, Mulder não tem arma etc.

  12. Peraí, gente. Já vi muito de Arquivo X. Achei que o filme não escapou de ser um ‘episódio longo’, como tantas outras adaptações de séries de TV. Mas, independente disso, o texto da moça é uma opinião. Não concordo tanto com as idéias dela, mas essas ofensas aí tão foda!

  13. e conhece tanto a série que errou o nome!! rsrsrsrs
    antes de falar de alguma coisa, deixe o maxo de lado e vá ler, estudar, tem um site legal que tu nao conhece, o GOOGLE, suepr util pra gente inutil.
    nao vou perder meu tempo para explicar, vai ser demais para vc, burrinha

  14. Juli, a senhora por acaso é alguma juíza de direito, médica, engenheira renomada ou escritora consagrada? Não entendi o comentário depreciativo/pejorativo em relação à faxineiras; pode me explicar melhor ou é só puro preconceito e arrogância de vossa senhoria?
    Lidianne, acho bom você ser cautelosa com esse tipo de seres humanos. Com fanatismo claramente exacerbado, o grupo de fãs Xiita do X-files beira a cometer um atentado contra sua pessoa. No que tange sua crítica: parabéns, muito bem embasada e perfeitamente aplicável.
    Att.: E.T. Cinza de Reticulina

  15. Juliana, a declaração foi feita no livro oficial da série, lançado em 2002 com apoio da FOX, com bastidores e script dos principais episódios, conhecido de alguns fãs ou curiosos da série.

    Lembrem-se sempre que isso é uma crítica, pessoal e de acordo com o gosto de cada um.

    Lidianne Andrade

  16. e ainda se diz jornalista…aqueles que usam a palavra “clichê” é por pobreza de linguagem, pura idiotice
    a lidinaoseioque ai deve ser idiota mesmo, ne? paciência tem limite
    nao ve o babado, nao pesquisa, escreve merda e quer ser elogiada?
    vai ler um livro e ser faxineira!
    gilian nunca declarou isso, minha filha! se oriente!

  17. dá pra ver mesmo que conhece a série…
    errou o nome do ator todinho….nossa.
    E ó o psicólogo falando ali em cima! Uhuuu!!!

  18. Aos que concordam e quiseram comentar, obrigada pelo apoio e carinho nos comentários.
    Mas crítica é assim mesmo, agente escreve e fica sentando esperando o resultado. Alguns gostam, outros não. Respeito todos e leio na íntegra, tenham certeza.
    Abraços!

  19. O filme é perfeito! Guilherme tu é doido e essa ai de de cima tambem
    a mulher foi tirar ressaca no cinema e falando do beijo mas perfeito do cinema! deu de lava em titanic!
    queria, vá ver a série, vá pesquisar se nao tu nunca vai ser ninguem na vida
    tava lombrada ou nem viu o filme??? era lombra, lombra!!!

  20. A.C:Só algo para vc se acalmar,meu caro:
    Todas as mentiras levam à verdade!Não esqueça!

    E sobre o texto,usarei algo que esse pessoal,essa “galera” da comunidade tem usado bastante ultimamente,e eu realmente gostei:
    Sure,fine,whatever!

  21. Esse povo é uma galera que fica na comunidade Aquivo X – Brasil do Orkut rechaçando qualquer um que tenha ponto de vista contrário ao deles.

  22. Lidianne, parabéns pelo artigo! Não tem nada escrito que não seja verdade. Sou fã da série, apanhei inclusive os preparativos da mesma. O filme foi um tiro no pé. Carter foi extremamente infeliz na escolha do tema e ainda apelou pra um enredo nada genuíno. Diante de toda criatividade outrora demonstrada pelo diretor, esse filme surpreendeu pelo tamanho baixo nível.
    Ignore os comentários cheios de sofismas escritos a cima. Coisa de fãs tão obcecados, que não são incapazes de realizar um julgamento imparcial do filme. Já chegam atacando pessoalmente e tentando desmerecer qualquer pessoa que não veja o filme pelo prisma particular deles, cuja conclusão do filme claramente é influenciada pela tendência de interpretar positivamente qualquer comportamento do objeto da obsessão. O escudo é sempre o mesmo: “você só critica porque não entende nada sobre arquivo X”.
    Mas o óbvio se revela na mídia especializada e na mídia independente: o filme foi um grande fracasso, desagradando desde um público neutro até uma parcela considerável dos fãs.

  23. Olá pessoas!
    Antes de mais nada, “atabalhoado” significa feito às pressas, atrapalhado, precipitado. Está no dicionário, ok?

    Fico feliz que todos, agradeço os comentários. Desagradando ou não, é importante lembrar que crítica é crítica, cada um tem sua visão. Respeito a de vocês mas venho aqui para lembrar que opinião é como beleza: ao seu jeito, cada um tem a sua e sintam-se livres para expressas suas opiniões.

    Porém, não retiro nenhum argumento do texto.

    Abs.

  24. “Trama confusa e atabalhoada marcou a pausa na aposentadoria dos agentes”
    ATABALHOADA! Belo vocabulário para uma crítica….
    Criatura, pra começar…pra você entender alguma coisa de Arquivo X, vá melhorar esse seu vocabulário, tá muito pobre. Certo, vamos trabalhar esse seu trauma de infãncia de ter faltado a muitas aulas de português.
    David Dychovini….aham.
    Dona, Lydiani Ahndradih…é o seguinte, se você realmente acha que Arquivo X só se trata de ETs e de mostrar a tensão sexual entre Mulder e Scully, nossa…percebe-se que você realmente não entendeu nada da série. E não espere que eu vá explicar, eu sei que seria demais pra você.
    Antes de ir comentar sobre algum filme, pesquise sobre ele, assista os antecedentes (filmes ou séries), e procure entender melhor o assunto, não vá falando besteira ao vento não. No momento pode dar uma ventania e jogar lixo em cima de você.
    Esse filme funciona perfeitamente para os fãs, se você se desse ao trabalho um pouquinho de pesquisar os comentários, e também funciona para os não fãs, ou novatos no enredo, contanto que estes tenham a mente aberta e um pouco de inteligência.

  25. Bom, primeiramente, Chris Carter não parou de repente e decidiu fazer um filme do nada. Isso já vinha sendo pensado a muito tempo atrás. O que impediu foi um processo judicial entre ele e a Fox.

    Depois… A autora tem credencial pra falar da série? Ao menos chegou a dar uma olhada nas sinopses dos episódios que o criador da série disponibilizou como dando pistas sobre o filme? Parece q não… Pois um fã (ou alguém q pesquisou o mínimo) não diria que o filme não se trata de um Arquivo X por não tratar de extra-terrestres… AX é bem mais do que isso.

    E acho q a autora também deveria se informar melhor sobre a proposta do filme, dado que o diretor, Chris Carter, e o ator David Duchovny (cujo nome está escrito de forma desastrosamente errado…) deixaram bem claro que o filme não se tratava da mitologia da série e muito menos viria para dar explicação sobre qualquer coisa da mesma.

    Outra coisa… O relacionamento de Mulder e Scully vai muito além de uma simples tensão por falta de sexo. A ligação deles é muito mais profunda do que isso. A intimidade não mudou isso. A química ainda está presente para quem tem sensibilidade para percebê-la.

    Eu sou fã e assisti a 8 das 9 temporadas e ainda não assisti a última porque ainda não comprei… Assim, posso dizer que considero o filme um presente. Um presente tanto para nós, fãs, como pra qualquer pessoa que goste do estilo de AX: investigação de casos inexplicáveis por duas pessoas que dão suas vidas por isso.

    E eu acho q o clichê fica pra quem gosta de estereotipar pessoas e situações. Isso é algo que não é explorado por AX. Muito pelo contrário: a série é marcada por quebrar tabus e tratar de assuntos polêmicos de forma natural.

    Ah… O Eu Quero Acreditar foi bem além da simples concepção da existência ou não de ETs…

    Fica a pergunta: a autora assistiu realmente ao filme? :/

  26. XF2 é um filme que trata de monstros mais sutis, mas nem por isso menos profundos ou perversos. Não há separação entre bem e mal, nem tão pouco tenta explicar tudo, porque qualquer pessoa com o mínimo de discernimento, sabe que o “tudo” é inexplicável.. E esse sempre foi o perfil da série, deixar lacunas para preenchermos. As lacunas estão nesse filme, na própria história do paciente da dra. Scully…. Agora, é sempre interessante ver quando uma pessoa escreve alguma crítica e coloca a palavra “clichê”, sei lá, fica a impressão que a pessoa não sabe o que dizer, não quer se comprometer e fala o que a maioria poderia falar… Bom, todos os relacionamentos tem uma linha em comum, o que dá peso e profundidade ao relacionamento de Mulder e Scully é justamente a profunda interação que existe entre os dois, uma interação que foi bem cuidada pelos atores, pelo Chris Carter e os demais roteiristas ao longo da série. Isso mostrou-se nesse filme, a passagem do tempo na vida de Mulder e Scully, vimos os personagens lá e acreditamos que eles estão no único lugar que poderiam estar, ou seja, juntos mas envoltos de escuridão.Clichê? Depende da sutileza de quem olha.

    QUE VENHA XF3….. responder as lacunas que XF2 tão inteligentemente nos deixou e criar novos questionamentos…

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais
Crítica-HQ: Miles Morales segue relevante na busca por uma Marvel mais diversa e interessante