Cena de Bacurau, premiado em Cannes este ano: resistência. (Divulgação).

O programa Fantástico da TV Globo exibiu, há duas semanas, uma longa reportagem para comprovar que a Terra é redonda. A inusitada matéria foi ao ar para contestar algo inimaginável em pleno século 21: a volta da estapafúrdia teoria da Terra plana, propagada por um monte de gente biruta e até corroborada pelo guru ideológico da extrema-direita que desgoverna o Brasil. Essa mesma extrema-direita, hoje no poder, cuja administração é marcada pelo retrocesso e desmonte das conquistas econômicas e sociais dos últimos anos, fez ressurgir um fantasma que muitos julgavam estar bem longe, a possibilidade da volta das crises cíclicas de produção do cinema brasileiro, uma característica histórica de nossa cinematografia.

Desde sua chegada à presidência da República, Jair Bolsonaro e seus ministros têm realizado ações que, pouco a pouco, estão colocando o cinema brasileiro numa situação extremamente delicada, igual ou mesmo pior do que a maior crise já enfrentada pelo cinema nacional, em 1990, quando o então presidente Fernando Collor, acabou vários mecanismos de incentivo à cultura no país e extinguiu a Embrafilme. E como no episódio da Terra plana, em pleno ano de 2019, os cineastas e artistas em geral estão mais uma vez tendo que lutar e resistir para não serem tragados pela política de terra arrasada do governo Bolsonaro.

No início da semana passada a atriz Marieta Severo, em entrevista ao Canal Brasil, comentou as oscilações das políticas públicas para o audiovisual. Marieta foi a protagonista do filme Carlota Joaquina, de Carla Camuratti, que em 1992 se tornou o marco da Retomada do Cinema Brasileiro. O vídeo circulou amplamente nas redes sociais e é um alerta para o que vem acontecendo hoje. As consequências da paralisação da Agência Nacional do Cinema (Ancine) já estão sendo sentidas e provocando as primeiras turbulências na produção de filmes.

Convocação para a luta

Aqui em Pernambuco o efeito dessa situação já se reflete no edital do Funcultura Audiovisual, do Governo do Estado. Desde 2015 existia uma parceria entre a Fundarpe e a Ancine, onde a agência nacional complementava os recursos dos editais locais. Até o momento, no entanto, os dois órgãos não chegaram a um acordo sobre esse apoio, por conta sobretudo da instabilidade da Ancine, e o edital 2018/2019 ainda não foi lançado. Com isso vários projetos estão paralisados e cineastas e produtoras estão sem perspectivas sobre o que vai acontecer com a cadeia do audiovisual pernambucano nos próximos meses.

Cena de A Vida Invisível, de Karïn Ainouz, também premiado em Cannes: Bolsonaro tenta destruir esse legado. (Divulgação).

Para esclarecer e pressionar por uma solução, a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta Metragistas e a Associação Pernambucana de Cineastas ABD-APECI estão inclusive realizando nesta segunda 23/09, às 18h, no sexto andar do Edíficio Pernambuco, uma reunião para apresentar um balanço das negociações realizadas em torno do edital. As duas entidades pretendem prospectar os cenários possíveis, a definição de estratégias coletivas de luta e convocam toda a categoria do audiovisual para o engajamento.

A preocupação das entidades é legítima diante dos ataques que o setor do audiovisual vem sofrendo. E, ao nosso ver, o que vem acontecendo hoje é mais grave e perigoso do que na crise de 1990. Se naquele momento uma das justificativas para o fim da Embrafilme foi principalmente de ordem financeira, atualmente o desmantelamento do audiovisual é justificado por um discurso ideológico e moralista, com censura ao conteúdo das produções audiovisuais e reiterados ataques a grupos sociais que ganharam visibilidade e tiveram seus direitos legitimados como é o caso da comunidade LGBTI+.

Se não houver reação, toda a política desenvolvida para o audiovisual nos últimos anos poderá desaparecer. É espantoso que isso aconteça exatamente num momento em que o cinema brasileiro esteja dando provas da sua capacidade de movimentar a economia, gerar empregos e renda. Os prêmios internacionais, o êxito de público de filmes como Bacurau, de Kleber Mendonça Filho, Que Horas ela Volta?, de Anna Muylaert, entre outros, revelam o amadurecimento do cinema nacional e põe por terra os argumentos idiotas de que a produção audiovisual vive de “mamata”. Não podemos deixar que os boçais entreguistas nos levem de volta ao “cinema em ciclos”!

Leia Mais
Filme”Arthur Rambo” percorre os tortuosos caminhos da cultura do cancelamento