A cultuada banda psicodélica pernambucana lança o primeiro videoclipe da história do grupo. A música título do disco Vendavais ganha vida com o vídeo dirigido por Pablo Polo e filmado em um casarão do Coletivo de Teatro Magiluth.

“Passei um tempo escutando a música e tentando encontrar um fio de inspiração para ancorar a narrativa. Trechos dela chamaram a atenção e daí veio uma forte relação de opressão versus ação para se libertar e para ser si mesmo”, conta Pablo. Foi assim que surgiu a ideia de chamar performers variados para vivenciar e materializar essa mensagem. 

Na narrativa concebida o clipe começa com a banda em uma certa inércia, e na medida em que os performers ao redor foram se libertando dessa inércia a banda também começa a se “libertar”. O clipe também faz uma conexão entre fãs/admiradores da Ave Sangria e os músicos que compõem o grupo musical, estabelecendo o momento mágico e artístico do encontro autoria- obra-público. 

Em um dos espaços dentro do Casarão há uma caixa cênica, com diversas imagens nas paredes, cheias de histórias próprias. “Quando conheci este espaço veio a ideia do final do clipe, quando  todas as pessoas, unidas, partem do espaço confinado e abrem suas janelas. Literalmente escancarando os portais e as possibilidades de identidades livres e da imaginação”, conclui o diretor.

Leia mais
Um papo com Marco Polo, do Ave Sangria: os reacionários perderam a vergonha

A Ave Sangria é uma das bandas de rock mais importantes de Pernambuco. Redescobertos por uma novíssima geração, os integrantes originais Marco Polo (voz, composições), Almir de Oliveira (voz, guitarra , composições) e Paulo Rafael (guitarra ) se reuniram para traçar novos planos de voo. Estimulado por uma série de shows realizados pela banda a partir de 2014, o trio revirou o baú do tempo e de lá saíram onze incríveis canções inéditas, compostas no período de 1969-1972, sendo a instrumental “Em Órbita”, de Paulo Rafael, a única composta na época da gravação do disco.

Leia Mais
Um papo com o quadrinista Lino Arruda: “Me interessa produzir algo que alimente a minha comunidade, que possa reverberar na experiência de outras pessoas trans”