Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Como é tradição há anos no Recife, a realizou um show cheio de peso, resumindo a proposta de unir o pop com o tradicional típico do da cidade. Após polêmicas envolvendo a contratação do show, a Nação mostrou sua força como o nome mais aguardado do palco principal no Marco Zero.

A banda apostou em clássicos com “Meu Maracatu Pesa Uma Tonelada”, já da fase sem Chico Science, mas também reverenciou seu criador em diversos momentos como “Manguetown”. O grupo não se esqueceu das faixas de seu novo disco, lançado no ano passado, e tocou músicas como “Cicatriz”, cantadas pelo público.

Foi a primeira vez que eles tocaram músicas inéditas para um público tão grande. A noite do Marco Zero teve ainda o novo projeto dos artistas pernambucanos Lula Queiroga, Silvério Pessoa e Tibério Azul, o Pernambuco Convida. A proposta foi trazer canções de artistas locais. “Este é um projeto inédito. Aqui mostramos como o frevo pode ser versátil e dialogamos com diversos outros ritmos, como o pop e o rock”, conta Silvério.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Foto: Leo Mota / Divulgação.

Sem mais artigos