Ceano nos convida a expressar emoções em seu terceiro disco Bonsenso

O álbum traz sete canções sobre amadurecimento, desejos e busca pela felicidade

A banda é formada por Leonardo Rodrigues (baixo), André Vinco (voz e guitarra), Rafael Lira (guitarra) e Arthur Balista (bateria). (Foto: Vitor Dechem/Divulgação).

Com influência de Maglore, Marina Sena e Céu, a banda paulista Ceano lança seu terceiro álbum. Intitulado Bonsenso, o disco entrega sete canções sobre o amadurecimento nos tempos atuais, desejos e a busca pela felicidade. O grupo, que mistura rock alternativo com uma pitada de MPB e emocore desde 2014, incorpora, neste trabalho, novos elementos sonoros – de violões e violinos às programações e sintetizadores.

“Um término mal conversado, uma briga sem resolução, sentimentos que são ao mesmo tempo confusos, mas claros como água podem ser tão difíceis de lidar que as pessoas passaram a acreditar que o melhor é suprimi-los, fingir não se importar, partir pra outra: próxima festa, próxima pessoa, próxima vida. O trabalho da Ceano sempre foi na contramão dessa ideia. Entendendo que ‘sentir’ é o que nos faz humanos, expressar emoções e falar delas pode ser a melhor terapia para um coração partido ou uma cabeça confusa. As músicas do novo álbum contam histórias sob diferentes perspectivas, abrindo espaço para a interpretação do ouvinte”, conta o baixista Leonardo Rodrigues.

“A Pressa é Inimiga” é a música de trabalho escolhida pela banda. De acordo com Rodrigues, a letra versa sobre os tropeços e reviravoltas da busca por um relacionamento. “Vem de uma perspectiva de um eu-lírico deslocado, alguém que não está em um relacionamento e busca por um. É sobre sentir falta de ser quisto e de querer alguém. Sobre os atalhos pra encontrar alguém não necessariamente funcionarem. Sabe quando você encontra alguém que parece ser a pessoa certa no lugar mais improvável? Isso não rola há um bom tempo”, revela.

Além do baixista Leonardo Rodrigues, a Ceano é composta por André Vinco (voz e guitarra), Rafael Lira (guitarra) e Arthur Balista (bateria).

Leia Mais
Crítica: Tove Lo mantém hedonismo em alta no quinto álbum, Dirt Femme