Evento do tipo Sound System no Recife (Divulgação)
Foto via Reggae pelo Reggae/Facebook
Foto via Reggae pelo Reggae/Facebook

RECIFE EM NOME DE JAH
Cresce o número de eventos e locais dedicados ao ritmo jamaicano

Por Rafael Bouckaert
Colaboração para a Revista O Grito!

O crescimento do público e de eventos da cena musical dedicada ao reggae no Recife é perceptível. Além do surgimento de novas bandas locais, grupos nacionais e internacionais tem incluído sistematicamente a cidade na rota de suas turnês. Um cenário bem mais animador do que o dos anos 1990 quando o ritmo, originário da Jamaica, não tinha muito espaço por aqui e ainda era visto com desconfiança por conta do visual rastafári de seus seguidores e o fato deles aceitarem com serenidade o uso livre de cannabis.

Leia Mais: Reggae
Como foi o festival Celebração Reggae, no Recife
Nova do Snoop Lion

O reggae tornou-se conhecido em 1963. A banda The Wailers fundada por Bob Marley, Peter Tosh e Bunny Wailer seria considerada a maior representante do ritmo e na década de 1970. Graças a ela, o ritmo ganhou popularidade na Inglaterra e nos Estados Unidos se tornando assim um ritmo mainstream. A cultura reggae se expandiu e ganhou seguidores por todo o mundo. No Brasil os nomes de Edson Gomes e da Tribo de Jah são fundamentais na difusão do ritmo pelo país, e hoje grupos como Ponto de Equilíbrio e Mato Seco dão continuidade a esta tradição.

Em Pernambuco, um dos seguidores mais antigos é o músico Ívano, um artista que trafega por diversos ritmos e tem álbuns inteiros dedicados ao reggae. Hoje, observa-se um ressurgimento do interesse por esse gênero de música e o produtor e músico Dirceu Melo é um dos responsáveis por esta nova onda no Grande Recife. Dirceu se interessou pelo reggae quando em meados de 2002 junto com amigos formou a banda Manga Rosa e constatou que não havia nenhum local para apresentação de grupos de reggae. Eles então se juntaram com outras duas bandas que tocavam outros ritmos e criaram um evento semanal chamado Quinta NP, na rua do Apolo. “Cobrávamos quatro reais e mulher entrava de graça. A cachaça também era de graça!!!”, recorda Dirceu.

O evento foi um sucesso e muito disso se deveu às noites em que o Manga Rosa tocava. O público aumentou exponencialmente e o evento mudou de local por três vezes para aguentar a demanda. Antes da NP, segundo o músico, não havia nada de reggae acontecendo na cidade. Pouco depois surgiu um convite da Rádio Cidade para a banda Manga Rosa abrir um show da Tribo de Jah, que há anos não tocava por aqui. “Fizemos o show no antigo Espaço Arena e ali mostramos à cena nacional que o Recife estava renascendo pro reggae”.

Segundo Dirceu o crescimento do poder aquisitivo das classes C e D tem permitido uma expansão da cena e o surgimento de eventos dedicados ao reggae. A Groovin, produtora comandada por ele, está ligada a quatro grandes eventos, entre eles o Festival Celebração Reggae que já teve cinco edições. “Apesar de nenhuma banda local ainda ter conseguido o devido destaque na cena nacional, somos hoje uma das principais praças brasileiras para o reggae e isso se mostra pelo fato de já termos recebido todos os grandes nomes nacionais e algumas estrelas internacionais”, diz. Ele lembra que até mesmo o Chevrolet Hall recebeu 12 mil pessoas para ver Alpha Blondy e The Wailers.

Evento do tipo Sound System no Recife (Divulgação)
Evento do tipo Sound System no Recife (Divulgação)

Novidades
Mas o crescimento da cena não se traduz apenas em números. Muitos adeptos do reggae trabalham de forma coletiva e estão trazendo novidades para a cena. Um exemplo é o Reggae pelo Reggae, formado por um grupo de jovens apaixonados pelo ritmo. Seus cinco integrantes vem produzindo pequenos eventos e apoiando outros maiores, com o desejo de mudar a imagem de desorganização dos eventos locais do gênero. O Reggae pelo Reggae é um dos símbolos da mudança no estado. Eles também são responsáveis por eventos do tipo sound system, gratuitos e realizados em praças públicas com o intuito de formar novos públicos e reunir os fãs.

A falta de locais para curtir o reggae também não é mais problema. O segmento no estado tem se consolidado e o ritmo já atrai novos adeptos de várias camadas sociais. Novos eventos estão surgindo como o Festival Reggae Brazuca que vai acontecer dia 13 de julho no Clube Português com Edson Gomes, Vibrações, Bantus, Triboras e Semente Yeshua. Além disso, existe o Jardim do Reggae, ponto de encontro dos fãs da música jamaicana. O Jardim surgiu em 2003 e hoje está situado na Cachaçaria Virgulino, realizando shows todos os domingos, com destaque para as bandas regionais.

Leia Mais
Kadri lança clipe do single otimista “Montanha Russa” em parceria com rapper Bivolt