A Companhia Editora de Pernambuco () lança a 5ª edição do Prêmio Nacional de Literatura, nas categorias conto, e romance; e também a 2ª edição do Prêmio Cepe Nacional de Literatura Infantil e Infantojuvenil. Serão concedidos prêmios no valor de R$ 20 mil aos vencedores de cada categoria. As inscrições estarão abertas a partir do dia 23 de julho e se prolongam até o dia 20 de setembro. A novidade este ano é que o processo será exclusivamente por meio digital.

Poderão participar do concurso brasileiros, pessoa física, residentes no Brasil ou no exterior, bem como estrangeiros naturalizados residentes no País, independente de sexo, etnia, idade, formação cultural, religiosa ou política, desde que atendam às normas do edital publicado no site da Cepe.

É permitido participar de ambos os editais, com a condição de só poder inscrever uma obra em apenas uma categoria por edital. No caso do concurso de literatura adulta a obra inscrita deverá ser inédita, com tema livre, em língua portuguesa, com, no mínimo, 200 mil caracteres para as categorias romance e conto; e com, no mínimo, 25 mil caracteres para a categoria poesia.

Já no concurso de literatura infantil e infantojuvenil a obra inscrita deverá ser inédita, com tema livre, escrita em português, com, no máximo 120 mil caracteres. Os textos selecionados por duas comissões julgadoras, formadas por especialistas (uma de Pernambuco e outra nacional), serão editados pela Cepe.

De acordo com o editor, Wellington de Melo, a nova dinâmica corresponde à política de sustentabilidade da empresa, além de proporcionar mais segurança e menor possibilidade dos candidatos cometerem erros no preenchimento do formulário.

Wellington ressalta que um parâmetro importante para ilustrar a relevância do prêmio está no fato de que o selo Cepe acaba chancelando o trabalho do autor, tanto que alguns títulos chegam a conquistar outras premiações. “Há um crivo de qualidade efetivo, todo um cuidado com o que é escolhido e publicado”, diz.

No ano passado, por exemplo, três vencedores foram agraciados com o Prêmio Literário da Biblioteca Nacional: Os filhos do deserto combatem na solidão, de Lourenço Cazarré (categoria juvenil); O voo da eterna brevidade, de José Mário Rodrigues (categoria poesia); e Outro lugar, de Luis S. Krausz, este também foi finalista do Prêmio Rio de Literatura.

Sem mais artigos