Cena do filme "Menino 23", em competição entre os longas. (Divulgação).
Cena do filme "Menino 23", em competição entre os longas. (Divulgação).
Cena do filme “Menino 23”, em competição entre os longas. (Divulgação).

O Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema começa nesta semana com a exibição de mais de 100 filmes. O evento chega à 26ª edição como um dos mais importantes festivais brasileiros. A programação acontece entre os dias 16 e 22 de junho em Fortaleza.

Nesta edição do Cine Ceará, oito longas concorrem ao troféu Mucuripe. O espanhol Avó, de Asier Altuna, será o filme de abertura. Durante o fim de semana, serão apresentados dois filmes a cada noite: na sexta, acontece a sessão do mexicano Epitáfio, de Yulene Olaizola e Rubén Imaz; no sábado é a vez do nacional Maresia, de Marcos Guttmann, com Julio Andrade e Vera Holtz, longa inédito no Brasil, e do panamense Salsipuedes, de Ricardo Aguilar e Manolito Rodríguez; já o domingo terá a exibição dos brasileiros Menino 23, de Belisario Franca, também exibido pela primeira vez no país, e Do outro lado do atlântico, de Daniele Ellery e Márcio Câmara.

"Maresia", com Vera Holtz. (Divulgação).
“Maresia”, com Vera Holtz. (Divulgação).

A competição de longas se completa com a sessão de Casa Blanca, de Aleksandra Maciuszek; Clarisse ou alguma coisa sobre nós dois, de Petrus Cariry, e Clever de Federico Borgia e Guilhermo Madeiro.

Os curtas-metragens concorrem ao troféu Mucuripe em várias categorias. Na Mostra Competitiva Brasileira de Curtas-Metragens, estão 14 produções de sete estados, e na Mostra Olhar do Ceará são 39 selecionados.

Este ano, o México é o país homenageado com a Mostra de Cinema Mexicano, que apresentará 22 filmes, dos quais sete são inéditos no Brasil. A Mostra exibirá importantes obras do cinema mexicano contemporâneo como La Maldad, de Joshua Gil; Te Prometo Anarquía, de Julio Hernández, entre outros, e acontece de 7 a 19 de junho na CAIXA Cultural Fortaleza. Mais detalhes dos horários das sessões no site do festival.

Leia Mais
Gravado há 30 anos para o mercado japonês, Neoclássico, de Patricia Marx, chega às plataformas digitais