Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

O segundo dia do foi marcado por vaias durante a homenagem do festival ao ex-governador . A situação constrangeu a viúva de Campos e ex-primeira dama do Estado, Renata Campos, o governador Paulo Câmara, o prefeito do Recife Geraldo Júlio e o empresário e pré-candidato a prefeito de Olinda, Antônio Campos. Também foram ouvidos gritos de “Resiste, Estelita”.

Leia Mais
Exotismo indiano e lirismo do candomblé na noite de abertura

Renata subiu ao palco ao lado dos quatro dos cinco filhos. Pedro Campos, um dos rapazes, disse que é preciso conviver com vaias e aplausos. “A cultura pernambucana tem que estar acima de qualquer indisposição ou intriga. Para ser um grande líder como o meu pai, é preciso estar disposto a conviver com aplausos, vaias, elogios e críticas”, disse. Ele não foi vaiado.

A apresentadora do festival, a jornalista Graça Araújo, chegou a reclamar com a plateia. “Quem não quiser aplaudir, que fique em silêncio”, disse em meio a mais vaias. Uma pessoa na plateia gritou palavras de apoio ao Ocupe Estelita, movimento que luta contra a construção de arranha-céus no histórico Cais José Estelita, o que foi recebido com aplausos.

O dia ainda teve homenagens ao escritor Ariano Suassuna, morto no ano passado e aos mestres do barro e cerâmica do Estado.

Longa com Lázaro Ramos estreia ainda este mês. (Divulgação).

Longa com estreia ainda este mês. (Divulgação).

Na mostra competitiva, destaques para o curta Salu e o Cavalo Marinha, de Cecília da Fonte e o longa , de Lula Buarque de Holanda. O ator Lázaro Ramos, protagonista do filme, esteve presente no Cine São Luiz.

Baseado na obra do escritor José Eduardo Agualusa, o filme traz ainda Alinne Moraes e Odilon Wagner. A trama foi transposta de Angola para o Rio de Janeiro e mostra a vida de Vicente (Ramos), um homem que vive de vender passados a clientes que querem modificar sua história. O filme já estreia em circuito comercial no dia 21 de maio.

Sem mais artigos