O aguardado longa de Wes Anderson, O Grande Hotel Budapeste, abre o festival (Foto: Divulgação).
O aguardado longa de Wes Anderson, O Grande Hotel Budapeste, abre o festival (Foto: Divulgação).

O Cine PE inicia este ano sua primeira programação internacional. O evento realizou uma coletiva de imprensa neste domingo (30) na Fundação Joaquim Nabuco. O longa que abre a edição deste ano será , de , que será exibido fora de competição. Outros longas confirmados são Romance Policial (Chile), Anos Felizes, do italiano Daniele Luchetti e Todos Temos Um Plano, da argentina Ana Piterbarg e estrelado por Viggo Mortensen.

O evento acontece entre os dias 26 de abril a 2 de maio no reformado Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, em Olinda. O este ano será dividido em quatro mostras competitivas, a Mostra Pernambuco, com seis curtas de cineastas pernambucanos; Mostra de Curtas Nacionais, com sete curtas, sendo dois de Pernambuco, Mostra de Longas Documentário, com dois títulos brasileiros e dois estrangeiros, e Mostra de Longas Internacionais, estreando os longas estrangeiros no festival. Serão três filmes brasileiros, um da Argentina e um da Itália. Todas as mostras terão júri próprio.

Totalmente renovado, o traz uma programação mais enxuta. “É uma reestruturação completa do festival. Não é só a crise econômica que o cinema e os festivais vivem, mas uma necessidade de se reciclar”, disse um dos organizadores Alfredo Bertini. “Apesar de manter a diversidade da seleção, decidimos focar em uma maior qualidade em relação ao que estávamos fazendo antes”.

Au Revoir, de Milena Times, estará na Mostra Pernambuco (Foto: Divulgação).
Au Revoir, de Milena Times, estará na Mostra Pernambuco (Foto: Divulgação).

Crise
A edição de 18 anos do Cine PE conclama: “mude de assunto”. O festival chama atenção para a dificuldade de captar patrocínio em ano de Copa do Mundo no Brasil, onde a maior parte dos anunciantes e apoiadores estão mais interessados no evento esportivo. “Vivemos uma crise econômico e um ano muito difícil para todo o setor cultural”, disse a produtora Sandra Bertini. “No entanto, são esses momentos de crise que levam a uma renovação”. O valor aprovado na Lei Rouanet este ano foi de R$ 2,5 milhões.

Dentro desse contexto, o Cine PE na maioridade aproveita para apostar na internacionalização. “Isso já foi pensado desde a edição de 15 anos, mas não foi possível naquele momento. Agora acreditamos que temos essa maturidade”, disse Alfredo Bertini. “Também foi importante pois percebemos a credibilidade que o festival tem no mercado”.

Público perdeu público nos últimos anos (Foto: Daniela Nader/Divulgação).
Público perdeu público nos últimos anos (Foto: Daniela Nader/Divulgação).

Mais enxuto
O festival agora estará mais enxuto, com menos filmes e melhor divisão das mostras. “A divisão em quatro mostras dará uma maior visibilidade a todos os filmes”, explicou o novo curador do festival, Rodrigo Fonseca. Isso também impactou na programação, que agora não mais pulveriza a exibição das mostras de curtas em vários dias.

No sábado de abertura serão exibidos todos os filmes da Mostra Pernambuco e Mostra Curta Brasil. “Atendemos a um pleito da comunidade cinematográfica pernambucana, que pedia uma maior atenção aos curtas do Estado”, diz Alfredo. No início, a mostra de curtas locais era exibida uma semana antes no Cinema da Fundação. Depois de protestos, passou para as tardes da programação do festival, com quase ninguém na plateia. Agora, deverá ganhar mais destaque.

O festival também terá programação ao longo do ano, com workshops, palestras e atividades ligadas ao cinema.

As mudanças também refletem uma tentativa de driblar a perda de público do festival. “Os filmes refletem um desejo de dialogar com a curiosidade do público, de cativá-lo”, disse Rodrigo Fonseca.

Veja a seleção oficial de filmes.

MOSTRA HORS CONCOURS
Getúlio (RJ), de João Jardim
O Grande Hotel Budapeste (EUA), de

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS PERNAMBUCANOS
(MOSTRA PERNAMBUCO)
Au Revoir (PE), de Milena Times
Frascos (PE), de Ariana Nuala
Ponta de Pedros e Pedras (PE), de Hermano Figueiredo
Rabutaia (PE), de Brenda Lígia
Severo (PE), de Danilo Baracho
Tesouros do Araripe: Os Fósseis e a Comunidade (PE), de Tito Aureliano

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS NACIONAIS
(MOSTRA CURTA BRASIL)
Ecce Homo (RJ), de Clodoaldo Lino
Linguagem (RJ), de Luiz Rosemberg Filho
Notícias da Rainha (PR), de Ana Johann
No Movimento da Fé (PA),de Fernando Segtowick e Thiago Pelaes
No Tiro do Bacamarte… Explode a Cultura Pernambucana (PE), de Xisto Ramos
O Filho Pródigo (SP), de Felipe Arrojo Poroger
Tubarão (PE), de Leo Tabosa

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS DOCUMENTÁRIOS
(MOSTRA DOC INTERNACIONAL)
1960 (POR), de Rodrigo Areias
E Agora, Lembra-me (POR), de Joaquim Pinto
O Mercado de Notícias (RS), de Jorge Furtado
Corbiniano (PE), de Cezar Maia

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS DE FICÇÃO
(FESTIVAL DE CINEMA DE FICÇÃO INTERNACIONAL)
Romance Policial (CHILE-BRA), de Jorge Durán
Todos Temos Um Plano (ARG), de Ana Piterbarg
Anos Felizes (ITA), de Daniele Luchetti
Mundo Deserto de Almas Negras (SP), de Ruy Veridiano
O Menino no Espelho (RJ), de Guilherme Fiúza Zenha
Muitos Homens Num Só (RJ), de Mini Kerti

Serviço
As exibições acontecem entre os dias 26 de abril e 2 de maio, a partir das 19h, no Cine Teatro Guararapes, no Centro de Convenções. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

O novo curador Rodrigo Fonseca ao lado dos produtores do Cine PE, Sandra e Alfredo Bertini (Foto: Paulo Floro/Rev.OGrito!).
O novo curador Rodrigo Fonseca ao lado dos produtores do Cine PE, Sandra e Alfredo Bertini (Foto: Paulo Floro/Rev.OGrito!).
Leia Mais
Papo com Daniel Ribeiro, diretor de Hoje Eu Quero Voltar Sozinho: “É transformador assistir algo que te representa”