Foto: Isabelle Figueirôa para a Revista O Grito!.
Foto: Isabelle Figueirôa para a Revista O Grito!.

Marcelo Camelo e Mallu Magalhães transformam o Baile Perfumado na garagem de casa

Por Isabelle Figueirôa

Juntar uns amigos, namorar, tomar cerveja, fazer um som. E o melhor, ganhar dinheiro com isso. Mallu Magalhães e Marcelo Camelo – junto com Fred Ferreira – parecem mesmo “estar por conta de viver”. Não estão preocupados com muita coisa. Foi esse o clima ameno e caseiro que pairou no Baile Perfumado nessa sexta-feira (24) com o show da Banda do Mar.

Leia Mais
Crítica: Banda do Mar abraça o pop fofinho
Entrevista: “Vivemos uma fase positiva e isso se reflete no trabalho

A impressão é que eles abriram a garagem de casa para algumas centenas de fãs prestigiarem a boa fase do trio. Não teve “céu de abril para desintristecer”. Ao contrário, a noite foi só alegria. Em coro, a multidão – que não chegou a lotar a casa, tornando mais intimista o espetáculo – cantava cada letra.

O show não teve grandes produções cenográficas, figurinos estilosos ou projeções e encantou por isso mesmo, pela simplicidade. Marcelo Camelo estava tão à vontade que até cantou Ana Júlia, canção de estreia do grupo Los Hermanos que há muitos anos não era cantada nos palcos recifenses.

banda

De Los Hermanos, a banda também foi de Morena e Além do que se vê. Já de Mallu Magalhães, os fãs curtiram Velha e louca, Janta, Olha só, moreno e Sambinha bom, as duas últimas numa apresentação voz e violão. Quase todas as músicas do disco de estreia da Banda do Mar estiveram presentes na noite, destaque para Mais ninguém e Dia Clarear, brindadas com clipes oficiais.

Nem a qualidade comprometida do som ou o calor excessivo tiraram a calma dos artistas na uma hora e 15 minutos de show. A cada carinho do casal protagonista, o público (carente que só ele) soltava gritinhos e suspiros. Bolas de encher brancas e azuis foram jogadas pelos fãs durante a apresentação.

Definitivamente, o forte da Banda do Mar é seu viés autobiográfico, o fato de ter um casal cantando músicas de amor e amizade. No quesito performance no palco e simpatia, a nota cai. Mas a banda já mandou seu recado há tempo: “Fora desse quarto o mundo tanto faz”.

Na “última oportunidade de perder a compostura”, nas palavras de Camelo, as canções escolhidas para o bis foram Cena e Muitos Chocolates.

Fã ilustre

Entre uma canção e outra Marcelo Camelo agradeceu a presença de um fã ilustre que estava anônimo no meio da multidão. O rapper Criolo, que faz show no Recife neste domingo (26), foi prestigiar o colega.

Leia Mais
Tipóia Festival valoriza artistas negros e indígenas pernambucanos e leva programação vasta à Tracunhaém