A comunidade de , na Zona Oeste do Recife, conquistou a revogação do decreto que desapropriaria moradias. Depois de 3 meses do decreto, comunidade comemora vitória da campanha #revogaodecretoprefeito, que incluiu uma música original de brega-funk e .

Em 24 de julho a comunidade de Caranguejo Tabaiares recebeu um decreto de desapropriação do Prefeito Geraldo Júlio que anunciava a remoção de 74 famílias do Canal do Prado. Recusando-se a deixar sua comunidade, os moradores, junto a uma rede de apoio formada junto ao Centro Popular de Direitos Humanos, Cooperativa Arquitetura, Urbanismo e Sociedade e Recife de Luta, criaram a campanha #revogaodecretoprefeito, recolhendo fotografias de moradores da comunidade, políticos, professores universitários e demais apoiadores com a placa da campanha.

Somando-se a isso, o Coletivo Caranguejo Tabaiares Resiste lançou o videoclipe “Sem destruição”, que já conta com milhares de visualizações nas redes sociais. O vídeo  fala através do passinho, o ritmo do momento, que os moradores não querem sair da comunidade e são contra as remoções. A produção foi realizada pela juventude da comunidade, junto aos jovens do curso de audiovisual Coque Vídeo, da comunidade vizinha.

https://www.facebook.com/watch/?v=1830498287081408

Depois de tanta movimentação, que incluiu um Mandado de Segurança para suspender as desapropriações, protocolado pelo CPDH no dia 28 de agosto e um fechamento de rua no dia 07 de Agosto, a comunidade conquistou o que desejava: o sonho de permanecer onde construíram sua história.

“Estamos muito felizes, essa é uma resposta da luta de toda a comunidade e também o começo de um trabalho com os movimentos de toda a cidade, para que entendam a importância de se mobilizar. Nós estamos nos organizando e não vamos aceitar esse tipo de violação de direito das zeis e áreas de interesse social”, diz Sarah Marques, mobilizadora do Coletivo Caranguejo Tabaiares Resiste.

Depois da conquista, a comunidade se prepara agora para solidificar sua presença no bairro através da Regularização Fundiária: “Precisamos garantir agora a segurança da posse da terra das famílias, que desde de 95 esperam a Regularização Fundiária. Já demos entrada num pedido administrativo em 11 de julho. Esperamos a formação do Grupo de Trabalho com ampla participação da comunidade para executar o processo”, diz Renan Castro, advogado popular do CPDH.

Além da posse da terra, a comunidade deseja um Plano Urbanístico, que traga melhorias de infraestrutura para o bairro como um todo. Os arquitetos e Urbanistas da CAUS (Cooperativa Arquitetura, Urbanismo e Sociedade) querem realizar algo diferente do que faz a gestão pública, “Queremos realizar um PUC (Plano Urbanístico Comunitário). Nesse processo ouvir a comunidade é essencial. É a partir dessa escuta que vamos trabalhar. Ele é realizado através de um processo conjunto com a comunidade para garantir a condição urbana de uma efetivação do direito à cidade, direito à moradia”, diz Matheus Nascimento. . “A comunidade já deixou claro que não vai aceitar coisa pronta. Estamos preparados e organizados para mostrar o que a comunidade quer para a Prefeitura do Recife”, completa Sarah.

Sem mais artigos