Arte: runran/Creative Commons.

“Você é um anjo em minha vida”. A frase foi dita por Paulo num tom jubiloso, enquanto vestia a cueca, após ouvir do amante a promessa de atendimento ao seu pedido de comprar para ele um computador de última geração. Arthur sorriu e passou a mão pelo ombro do rapaz até tocar sua nuca. Paulo levantou-se bruscamente para pegar um cigarro. Sempre reagia assim depois do gozo. A entrega total de seu corpo ao do amante, momentos antes, transformava-se em indiferença. Arthur já estava habituado a este comportamento. Às vezes, demonstrava seu incômodo, reclamava e ganhava um beijo rápido nos lábios como compensação. Sentado ao lado de Arthur, com o cigarro aceso, entre uma baforada e outra, Paulo fazia planos para o novo computador, sobretudo pela possibilidade de jogar com as versões atualizadas dos seus games preferidos. Arthur ouviu, fez perguntas aleatórias sobre esses games com os quais se familiarizara depois de tantos anos de convivência com Paulo. Quando se despediram, Paulo abraçou Arthur. “Até sábado, meu anjo”. 

O processo de acompanhamento das cobaias do experimento genético secreto da Genproject era complexo, principalmente por elas desconhecerem a sua condição. Poucos seres humanos apresentavam as condições ideais para se tornarem uma delas e os riscos da experiência inviabilizavam voluntários mesmo que a eles fossem pagos uma boa soma em dinheiro. O custo seria altíssimo. A opção de realizar o experimento sem que as cobaias soubessem foi a alternativa encontrada. Coletar regularmente o esperma das cobaias para analisar a evolução genética da substância neles inserida, anos antes, levou a Genproject a recrutar centenas de ciborgues para essa missão. Os coletores passavam a ter relações sexuais regulares com as cobaias de modo a ter, por semana, ao menos duas amostragens para serem enviadas aos laboratórios. Arthur era um deles. E Paulo, uma cobaia.

Ser chamado de anjo por Paulo passou a ser um pequeno tormento na vida de Arthur. Ele sabia que o mais certo era ser chamado de “anjo da morte”. Caso o experimento apresentasse alguma falha, caberia ao coletor exterminar a cobaia para evitar que ela sofresse com o desarranjo genético que passaria a ter e também para impedir que o experimento se tornasse público. Os coletores desconheciam os detalhes do experimento. Recebiam generosas aplicações em criptomoedas e ajuda de custo para manter as cobaias sob o seu controle. Ao conhecerem quem seria o seu “protegido” eles tinham um chip instalado no cérebro com informações sobre caráter, sentimentos, desejos e outros detalhes íntimos das cobaias. O chip continha ainda um gerador de impulsos para eles sentirem afeto por elas, mesmo quando o comportamento delas fossem de encontro aos princípios do coletor. Se o coletor ficasse emocionalmente instável com sua cobaia, o chip entrava em ação.

Quando Arthur foi contratado, recebeu as informações sobre Paulo, passou a segui-lo, travou conhecimento e o seduziu. Na verdade, ele também se sentiu atraído pelo rapaz moreno de olhos castanhos. Nunca teve certeza, porém, se a atração era resultado dos impulsos do chip ou de seus próprios desejos. Arthur achava Paulo um rapaz agradável, sexualmente atraente e o fato de não ter barreiras na cama facilitava as coisas. Por ser casado com uma mulher que ignorava sua vida dupla, Paulo era cuidadoso e sempre usava preservativos, garantindo a coleta mesmo quando faziam sexo oral. Sem que o rapaz percebesse, Arthur recolhia os preservativos com o esperma e depois o enviava ao laboratório da companhia. Arthur habituou-se com a rotina de encontrá-lo para ir a motéis duas vezes por semana. Elas ocorriam nos dias de folga de Paulo no seu trabalho como vendedor numa loja de produtos importados. Arthur mentia sobre sua verdadeira ocupação, dizendo que trabalhava com investimentos e dava a Paulo o que ele queria: massageava seu ego com provas de que era louco de paixão por ele e dinheiro para ele levar uma vida confortável.

Ser chamado de anjo por Paulo passou a ser um pequeno tormento na vida de Arthur. Ele sabia que o mais certo era ser chamado de “anjo da morte”

Por vezes a relação entrava em conflito. Com o tempo, Arthur se acostumara a perceber os indícios de inquietação em Paulo, provocadas principalmente por crises inesperadas de autoestima. Por vezes se dizia incomodado pela dependência financeira a qual se submetera, outras eram motivadas pelo receio de ter sua vida sexual secreta descoberta. A situação começou a complicar quando Arthur descobriu-se também dependente de Paulo. Qualquer movimento do outro que pudesse ameaçar a estabilidade da relação desencadeava nele angústia e medo de perdê-lo. Os sentimentos de Arthur para Paulo começaram a perturbá-lo cada vez mais. Queria vê-lo mais vezes, além dos dias de coletas, queria fazer coisas que pessoas em relações normais faziam como viajar juntos, ir ao cinema. A negativa de Paulo para tais gestos passou a irritar Arthur. Sentia raiva, dizia para si mesmo que iria abandoná-lo, mas quando estava prestes a tomar uma decisão radical o chip em seu cérebro entrava em ação. Aflorava em seus pensamentos duas assertivas: se Paulo escapasse de sua dominação, ele perderia o lucrativo posto de coletor e ainda teria que eliminá-lo, última coisa que ele pensaria em fazer. Mesmo sofrendo, Arthur amava sua cobaia.

Um dia antes de reencontrar Paulo, Arthur recebeu uma mensagem criptografada da Genproject. Ao chegar em casa acionou o decodificador e leu o seu conteúdo. Em poucas palavras o supervisor do laboratório da companhia informava que o experimento com Paulo teria que ser encerrado. As últimas amostras recolhidas mostravam que as alterações por eles aguardadas haviam sido finalmente registradas e que a partir dali Paulo não precisava mais ser monitorado. A mensagem concluía com a informação que o chip fora desativado e que em breve ele receberia uma nova cobaia para coletar esperma. Arthur sentiu-se confuso. Não queria se afastar de Paulo. Ao mesmo tempo se deu conta que poderia agora viver a relação de forma espontânea, nada mudaria entre eles. Paulo nunca soubera a verdadeira razão dele ter se aproximado e poderiam manter a rotina habitual dos encontros, das tardes entre conversas divertidas e jogos amorosos.

No sábado, como era de praxe, Arthur pegou o carro e foi ao encontro de Paulo próximo ao local onde ele morava. Quando se cumprimentaram, Arthur percebeu uma certa frieza no olhar de Paulo. No percurso até o motel falaram de coisas banais, do clima, dos acontecimentos da semana. Ao chegarem no motel, despiram-se e sem muitas delongas, fizeram sexo. Apesar de ambos chegarem ao orgasmo, havia uma certa tensão no ar. Ainda ofegante, Arthur perguntou a Paulo se ele estava com algum problema. “Minha mulher descobriu que eu tenho um caso com você”, disse de forma pausada, mas enfática. “Como ela descobriu?”, retrucou Arthur assustado.  “Ela recebeu uma mensagem anônima pelo celular com fotos nossas juntos. Eu sinto muito Arthur, mas eu não vou mais poder ver você. Temos que encerrar nossa relação”. Arthur ficou lívido, desconfiava que a Genproject o vigiava e agora tinha certeza. Seu corpo ficou trêmulo. Depois de tantos anos juntos a perspectiva de não ter Paulo ao seu lado o desesperou. “Mas podemos dar um tempo e depois a gente retoma”, disse Arthur quase aos prantos. “Não Arthur, acabou. Eu não quero problemas para minha vida. Ela foi bem clara, disse que se eu não deixasse de te encontrar ela diria para todo mundo que eu sou gay”. Paulo pronunciou as palavras como se lesse uma sentença. O sentimento de dor, subitamente transformou-se em raiva. Uma raiva que Arthur nunca sentira desde que começara a se relacionar com Paulo. Os impulsos de afeto que o chip sempre emitia daquela vez não foram acionados. 

Um silêncio mortal invadiu o quarto do motel. Com o rosto banhado em lágrimas, Arthur tentou ganhar forças: “mas você ao menos me ama?”. Paulo disfarçou o nervosismo, acendeu um cigarro e respondeu com aparente serenidade. “Eu gosto de você. Você tem sido um anjo pra mim, me ajuda, me quer bem, mas o que sinto é diferente do que você sente por mim. E, você tem que entender. Eu amo minha mulher”.  Arthur sentiu o nocaute. Inspirou profundamente e sem pestanejar começou a contar de forma frenética porque tinha ficado com ele todos aqueles anos. Falou dos primeiros encontros, do experimento genético e como fazia as coletas. Paulo ficou imóvel sem dizer uma só palavra. “Paulo, você foi apenas uma cobaia”, foram suas últimas palavras, ditas com escárnio e desprezo. Recuperando o sangue frio, Arthur viu, no entanto, que falara demais e que agora não tinha como voltar atrás. Era a vida de Paulo ou a sua que estava em jogo. 

Paulo permaneceu estático em pé no meio do quarto. Arthur foi até a mesinha onde depositara sua bolsa e de dentro dela tirou um objeto metálico cilíndrico que recebera quando iniciou o trabalho de coletor. Sua porção cibernética tomou o controle de seus instintos. Direcionou o pequeno cilindro para Paulo e, antes que ele esboçasse qualquer reação, acionou um pequeno botão lateral. De um pequeno orifício saiu um raio luminoso intenso que atingiu Paulo, assumiu a forma de seu contorno e o desintegrou. Arthur enxugou as lágrimas, guardou o objeto, recolheu as roupas de Paulo e as colocou na sua bolsa. Pagou a conta do motel, pegou o carro e partiu. Poucos minutos após chegar em casa, recebeu uma mensagem pelo seu smartphone. Aplicou o decodificador e leu o que o supervisor da Genproject havia enviado: “Missão cumprida”. Ao lado, uma foto de um belo rapaz loiro. “Aguarde novas instruções. Em até 24 horas seu chip será reativado”. 

Leia mais contos

Leia Mais
FIQ em CASA: Festival Internacional de Quadrinhos realiza edição especial virtual