Lena-beautiful-creatures-movie-32980415-600-400

tenta encontrar saídas criativas para o manjado combo sobrenatural + romance adolescente

O filme que estreia nesta sexta, Dezesseis Luas, tem como maior chamariz o fato de ter recebido o apelido de “novo Crepúsculo”. Baseado em uma série de livros juvenil superior (15 a 21 anos), o longa consegue introduzir os mesmos elementos já vistos na saga dos vampiros, como o amor proibido, magia e transformações da puberdade, mas tem uma proposta mais original na forma de contar a história.

Leia mais: Saga vai muito bem nas livrarias

Dirigido por , o filme chega a causar estranhamento de quem espera mais uma aventura previsível aos moldes de Crepúsculo. Com um orçamento modesto, o roteiro vai seduzindo o espectador através de clichês conhecidos, para só depois surpreender com uma cena inusitada. Ao tratar do sobrenatural, a história pega referências de Carrie, a Estranha e o romance tem um sabor de filmes indies no estilo Vidas Sem Rumo.

Por essa mistura não muito coesa, Dezesseis Luas é um filme que tenta se diferenciar da pecha fútil que pode ter conseguido mesmo antes de estrear. A própria distribuidora está vendendo o filme no Brasil como mais uma trama sobrenatural para adolescentes, com toda a dose de seriedade e pretensão. Mas, é bom dar uma chance à produção. Na história, o menino Ethan (Alden Ehrenreich) vive uma rotina entediante em uma pequena cidade nos EUA. Tudo muda com a chegada de Lena Dunchannes (Alice Englert).

Estranha e considerada “amaldiçoada” por causa das lendas que envolvem sua família, Alice vive reclusa com seu tio (Jeremy Irons), em um casarão. Após revelar sua natureza mágica, alice precisará lutar contra a tradição para poder viver seu romance. Além disso, uma maldição ameaça sua vida e a de seu namorado. Leia crítica completa no NE10.

DEZESSEIS LUAS
De Richard LaGravenese
[Beautiful Creatures, EUA, 2012 / Paris Filmes]
Com: Alice Englert, Alden Ehrenreich, Viola Davis, Emma Thompson

Nota: 7,2

Sem mais artigos