Divulgação.

Divulgação.

Sem inovar, segue se apoiando no incrível gogó de sua vocalista

Em seu segundo disco, o Alabama Shakes não precisa mais provar que vai além do revisionismo do rock sulista que se propôs. Agora, após a aclamação inicial, a banda pôde se soltar dentro do estilo que escolheram. Em Sound & Color eles mostram que não estão nem um pouco interessados em ampliar seu espectro sonoro, mas conseguem ir além da pecha “retrô” que muitos ainda os relacionam.

Leia Mais
Cantora mexicana Natalia Lafourcade traz novidades ao pop latino
Sufjan Stevens faz disco sobre as dores e as delícias de sua própria família
Terceiro disco de Waxahatchee traz tom trágico para falar de sentimentos
Ava Rocha corre riscos e se afirma como destaque do novíssimo pop brasileiro

Dentro do seu conservadorismo sonoro, o Alabama Shakes tem como maior trunfo o alcance sonoro de sua vocalista Britany Howard. Ela sabe onde deve inovar e onde exibir preciosismo no gogó. E passeia com muita desenvoltura nos gêneros blues rock, country e garage rock para mostrar que esses espaços tidos como impassíveis e imovíveis ainda podem sofrer um sacolejo de uma mulher negra afoita e criativa. E, claro, muito ciente do seu poder vocal.

A banda é também muito confiante, criando pouco, mas refinando a fórmula básica do rock para dar a deixa para Howard mostrar seu talento. Como principal instrumento do grupo, a voz surge como o principal diferencial do Alabama Shakes. Depois de um trabalho mais visceral, esse novo disco traz elementos pegos da psicodelia dos anos 1970 e o rock garageiro dos 80. Não remexe o gênero do seu estado atual, mas cumpre expectativas. [Fernando de Albuquerque]

alabama-shakes-sound-and-color-albumALABAMA SHAKES
Sound & Color
[Rough Trade, 2015]

7,5

Sem mais artigos