Phillip Long por Ciro Bertolucci / Divulgação.
Phillip Long por Ciro Bertolucci / Divulgação.

Phillip Long, nome importante do folk no Brasil, se reinventa em novo disco

Com apenas três anos de carreira e oito discos lançados, Phillip Long é um dos mais prolíficos músicos da cena independente brasileira atual. No entanto, A Blue Waltz, álbum que ele acaba de lançar na web, soa como um um novo começo para o jovem músico de Araras (SP).

Militando no folk, gênero que vem conquistando cada vez mais vozes no pop nacional, Long traz neste trabalho um tom bem introspectivo que beira a melancolia. Os arranjos são crus e cheios de uma influência do rock inglês dos anos 1980, sobretudo os Smiths. A produção é do próprio Phillip Long junto com Enzo Petruchi e Danilo Carandina. “What Lovers Should Do” e “If The Band Leaders Are Dead” servem para exemplificar a evolução que o cantor sofreu desde seus primeiros trabalhos. São faixas bem elaboradas, com uma complexidade que não vimos em Long até então.

Se o disco não se coloca como uma virada inovadora no gênero country-folk, A Blue Waltz se firma pela interpretação, o que acaba fazendo a diferença por aqui. Essa reinvenção pela dor, pelo tom triste das faixas, é algo difícil de se impor, mas gera trabalhos que emocionam como esse. Em um cenário cada vez mais ocupado por nomes nomes, Long se firma na dianteira. [Fernando de Albuquerque]

philliplongPHILIP LONG
A Blue Waltz
[Independente, 2014]
[Baixe o disco]

Nota: 7,0

Leia Mais
UANA aposta no brega-funk romântico no novo EP “Vidro Fumê”