Foto: Divulgação.
Foto: Divulgação.
Foto: Divulgação.

Celebrando a estranheza, tUnE-yArDs mistura folk e eletrônica em novo disco

O projeto musical de Merrill Garbus é uma das melhores surpresas recentes na cena independente. A cantora representa a geração atual cada vez mais interessada em desbravar outras sonoridades, investindo pesado em pesquisa musical e arranjos de instrumentos tidos como “étnicos”, a exemplo do ukulele.

Leia Mais
Crítica: Nina Becker canta sua Dolores Duran em novo disco

A liga no caso do tUnE-yArDs é a eletrônica, sob o comando das baterias de Nate Brenner. O novo trabalho, Nikki Nackchega a ser tão interessante quanto o anterior, o ótimo w h o k i l l, mas é um pouco menos inventivo.

Merrill usou parte das suas experiências em uma viagem ao Haiti para este novo trabalho, que reforça o choque proposta pela artista entre o folk e uma espécie de post-punk amalucado. O estranhamento inicial da maioria das pessoas ao entrar em contato com o tUnE-yArDs se dá também com a voz da cantora, que tem um timbre único, um tanto másculo e potente, mas que alcança notas baixas e delicadas.

Merrill e Brenner seguem coesos em seu som que é único dentro do indie atual. Não se superaram em relação ao melhor que já fizeram, mas ainda estão indo bem nessa experimentação em busca do novo. [Paulo Floro]

Nikki_Nack_artworktUnE-yArDs
Nikki Nack
[4AD, 2014]

Nota: 8,0

Leia Mais
Tasha e Tracie, novidades do hip hop BR, se apresentam pela primeira vez no Recife