Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

Yann Tarsen entre o pop e o contemplativo em novo disco

O músico bretão é um dos poucos hoje em dia que se aventuram no terreno do ambient music sem largar as benesses do pop. Seu novo trabalho, que sai este mês, é tanto um disco contemplativo para amantes de world music e viagens instrumentais, como um simpático e assobiável álbum de pop/rock.

Leia Mais
Crítica – Neneh Cherry retorna madura, mas na instiga de experimentar
Crítica – Mogwai mostra diversidade em oitavo disco

Gravado na Islândia, traz vozes em islandês e bretão em meio a arranjos que apontam para o progressivo. Mas o grande destaque do disco é o talento de Tiersen em usar o silêncio como elemento importante em sua sinfonia experimental. É um disco feito para criar paisagens sonoras (isso nem sempre é fácil, sabemos), mas o músico tem experiência nesse campo.

Ele ficou famoso com a música para a trilha do filme O Fabuloso Destino de Amelie Poulain, de Jean-Pierre Jeunet, ainda hoje um dos seus melhores trabalhos. Ele lançou outros ótimos discos que vale a pena conhecer, como Monochrome e La Parade. Este aponta um novo caminho, entre o pop e o contemplativo.

Tiersen é um dos principais nomes da vanguarda musical atual e consegue como poucos experimentar na instrumentação. Tanta ambição compromete algumas passagens do disco, que chega ao fim da audição aos solavancos. Mas é uma inventividade que vale a pena conhecer. [Rafael Curtis]

yanntiersenYANN TIERSEN
Infinity
[Mute, 2014]

Nota: 7,5

Sem mais artigos