A banda White Lung: poder feminino sem papo furado. (Foto: Divulgação).
A banda White Lung: poder feminino sem papo furado. (Foto: Divulgação).

ACORDES FEMININOS
A inovação e vigor criativo do rock estão com as mulheres este ano. É o que comprovam lançamentos do White Lung e Perfect Pussy

O rock há tempos não soava tão feminino quanto agora em 2014. Desde que o ano começou, grupo femininos têm surpreendido o público com produções que desafiam convenções políticas e de gênero ao mesmo tempo em que evocam um legado estético de forma a soarem próximas ao ouvinte. Dois discos recentes explicitam bem esse momento: Deep Fantasy, do canadense White Lung, liderado por Mish Way e a estreia do Perfect Pussy, da cantora Meredith Graves.

Deep Fantasy, o terceiro disco dos canadenses do White Lung é uma peça que honra os méritos conquistados pelo punk-rock até aqui. Ser conciso, direto e, sobretudo, rápido. O trabalho é um dos mais impressionantes do gênero por conseguir se ater à quintessência do estilo que escolheram, mas ao mesmo tempo trazer novidades que desafiam os clichês adquiridos. A começar pela abordagem feminina, nem sempre comum. Mish May é nome importante nas vozes femininas de sua geração. E ela tem uma consciência muito sólida do papel que desempenha. Além de suas letras no White Lung, ela assina artigos sobre música, feminismo e questões de gênero em diversas publicações, como a Vice.

A banda faz parte de uma cena punk-hardcore muito promissora do Canadá. E estão na mesma gravadora de outro grupo importante do gênero no país, o Fucked Up (que também conta com uma mulher integrante na formação). Mas o White Lung não aposta na ambição do experimentalismo dos colegas. Em vez disso decidiram confiar na forma das músicas de dois minutos e recheá-las de boas ideias. Em faixas como “Down With The Monster”, Mish e suas colegas demonstram a capacidade de soarem punks e melódicas. Em “Lucky One” embarcam em uma sonoridade pop e pesada ao mesmo tempo.

Perfect Pussy honra tradição de bandas lideradas por mulheres. (Divulgação).
Perfect Pussy honra tradição de bandas lideradas por mulheres. (Divulgação).

Perfect Pussy, a surpresa do ano

A banda Perfect Pussy não é o que se pode chamar de uma banda de garotas, mas o maior apelo do grupo é sua vocalista Meredith Graves. O disco de estreia Say Yes To Love, lançado este ano traz os vocais raivosos que ecoam a passividade de grupos punks que tratam de temas pessoais. Amor, obsessão, desejo e outros temas confessionais aparecem no álbum, que consegue prender a atenção do ouvinte de maneira muito rápida em seus curtíssimos 23 minutos.

Graves faz referências a grupos que já atuaram de forma confessional no rock pesado, como o Sleater-Kinney. O disco comprova que poucos trabalhos conseguem ser são catárticos quanto o punk mais barulhento.

A banda vem de Syracuse, cidade em Nova York nos EUA que tem tradição roqueira. De lá vieram nomes como o grupo lendário de metal Earth Crisis, o cantor e compositor Lou Reed, Grace Jones (que nasceu na Jamaica, mas se criou na cidade) e o guitarrista Pete Yorn. Meredith Graves tem tudo a figurar entre esses notáveis locais.

white-lung-deep-fantasyWHITE LUNG
Deep Fantasy
[Domino, 2014]
[Recomendado]

Nota: 8,5

music_phases136PERFECT PUSSY
Say Yes To Love
[Captured Tracks, 2014]

Nota: 8,0

Leia Mais
Bel Aurora lança disco A Metanoia representando renovação e sobrevivência