primal scream more light

O que você faz quando atinge o ápice criativo, do sucesso, reconhecimento, etc? Geralmente o que vem é uma baita de uma ressaca produtiva, aquela má vontade ferrada com o showbizz e o declínio. A maquininha de moer carne do pop não é lá muito surpreendente. Com o Primal Scream, que já tem quase 30 anos de carreira (bom lembrar, o primeiro disco é de 87), não foi diferente: após o auge de “XTRMNTR”, uma das obras chave dessa virada de século, vieram as sobras em “Evil Heat”, o country-rock safado de “Riot City Blues” e a maçaroca de “Beautiful Future”, todos com seus bons momentos, porém fracos no geral.

E era necessária uma resposta decente para o fiasco de “BF”, o pior trabalho da história da banda. 5 anos de vida depois, “More Light” é a resposta mais do que eficiente. Trata-se de um puta disco de rock psicodélico, não soando como as referências dos anos 60, mas moderno, pesado, com tremenda variações de timbres, harmonias e com punch, muito punch. A banda não voltou para “XTRMNTR”, mas produziu uma versão turbinada de “Screamadelica” no século XXI. Leia crítica completa em nosso parceiro Movin’Up.

Leia Mais
Novas músicas da semana com Charli XCX, Perfume Genius, Moses Sumney, Tatá Aeroplano e Rapadura