Daniel Johns, do Silverchair, retorna mais experimental em FutureNever

Músico australiano passeia por diferentes estilos musicais em seu segundo trabalho solo

Daniel Johns, do Silverchair, retorna mais experimental em FutureNever

Músico australiano passeia por diferentes estilos musicais em seu segundo trabalho solo

O músico e compositor australiano Daniel Johns, que faz parte da memória afetiva de toda uma geração por sua atuação à frente do Silverchair, retorna em mais um trabalho solo. Seguindo suas experimentações sonoras dos últimos anos, ele revela o álbum FutureNever (BMG).

Após estrear solo com Talk em 2015 e se destacar com seu podcast original do Spotify “Who Is Daniel Johns?”, ele adiciona uma nova página na sua trajetória com “FutureNever”, em um trabalho que avança mais um pouco no som um pouco mais experimental que sempre buscou em sua fase solo.

Apesar de fazer algumas aproximações com alguns dos discos do Silverchair, sobretudo a fase Diorama (2002), o novo trabalho de Johns se arrisca no R&B e até mesmo no eletrônico. Quem já é fã do músico e de sua banda vai gostar de ser surpreendido por essas viagens por diferentes gêneros e propostas musicais (mas, com resultados bem variados, vale destacar).

FutureNever é um lugar onde o seu passado, presente e futuro colidem e misturam. É um caldeirão eclético de músicas que fiz nos últimos dois anos. Eu não antecipei com singles, pois o álbum foi projetado para ser apreciado como um álbum… Pode me chamar de um romântico incorrigível”, conta Johns, em texto enviado à imprensa. “Como artista fico entediado muito rápido, então eu quis fazer desse álbum uma aventura pro ouvinte. Eu parei de correr do passado e estou aqui, abraçando ele”.

“E que as pessoas não venham reclamar que o novo álbum não parece Silverchair. Eu ouvi isso em todos os discos do Silverchair”, conta ele, rindo. “FutureNever foi feito para soar frenético e enigmático, como se fosse uma extensão do meu processo criativo”.

Foto: Luke Eblen.

O Silverchair foi uma das bandas mais relevantes do rock no final dos anos 1990 e início dos 2000, conquistando um espaço de destaque no cenário pop desse período. A banda lançou cinco álbuns de estúdio entre os anos de 1995 e 2007, com mais de 10 milhões de vendas em todo o mundo.

Em 2003, Johns juntou-se ao produtor australiano Paul Mac para formar o The Dissociatives. Seu projeto colaborativo com Luke Steele (Empire of the Sun), DREAMS, foi lançado em 2018.

Johns recentemente ganhou holofotes por outros motivos. Ele revelou estar lidando com problemas de saúde mental, como síndrome do pânico, e dependência de álcool. Em um post em seu Instagram em março deste ano ele anunciou tinha iniciado um tratamento com remédios e terapia e que iria se internar em uma clínica de reabilitação após ter se envolvido em uma acidente de carro.

O novo álbum está disponível em todas as plataformas de música.

Leia Mais
Anitta lança single El Que Espera com parceria de Maluma