O que aconteceria se dois acadêmicos pesquisadores resolvessem fazer um filme para discutir o tema de uma pesquisa na qual eles vêm se debruçando? Uma boa resposta para essa questão é o documentário Passagens, realizado pelos professores e pesquisadores Lucia Nagib da Universidade de Reading, no Reino Unido, e Samuel Paiva, da Universidade Federal de São Carlos, de São Paulo, e que está sendo exibido na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

A relação entre cinema e real é provavelmente a questão mais central e complexa nos estudos cinematográficos. Atualmente envolvidos em um projeto sobre a intermedialidade no cinema brasileiro, Nagib e Paiva, a partir de uma seleção de filmes, observam de que forma a utilização de expressões artísticas, como música, pintura, teatro e literatura constituem uma “passagem” para o cinema abordar as realidades social e política.

Na preparação para o filme eles entrevistaram 15 cineastas, técnicos e curadores brasileiros, figuras proeminentes do que ficou conhecido como Retomada do Cinema Brasileiro, dos anos 90, que trouxe de volta à agenda a questão da identidade nacional e as questões sociais remanescentes do Brasil. O florescimento e a diversificação do cinema independente a partir desse período favoreceram não apenas uma nova abordagem da realidade, mas um uso encorajado do meio cinematográfico que reconheceu e expôs suas conexões inextricáveis com outras formas artísticas e mediais. 

O projeto Passagens propõe que o método conhecido como “intermedialidade” esteja estrategicamente preparado para lançar uma nova luz sobre as maneiras pelas quais esses filmes não apenas representaram, mas também interferiram e transformaram o mundo ao seu redor. Os estudos de caso escolhidos são oriundos de Pernambuco, e de São Paulo, cujos cineastas, embora provenientes de culturas regionais díspares, mantêm um estreito diálogo artístico, demonstrando seus valores compartilhados. em um determinado momento histórico e interconectividade em toda a geografia brasileira.

Segundo Samuel Paiva, conceitualmente, Passagens reflete o pensamento sobretudo da professora Lúcia Nagib, cujas publicações ele acompanha desde os anos 1990. “De qualquer ângulo que você assista ao filme, sempre haverá um fator que reflete o trabalho dela. Por exemplo, o interesse na geração da Retomada, realismo cinematográfico, world cinema, intermediação, assuntos sobre os quais ela tem publicações que são referências inevitáveis. 

Os diretores Lucia Nagib e Samuel Paiva, diretores de Passagens: estudos na tela. (Divulgação).

Do ponto de vista estético, os realizadores recorreram à própria estética dos filmes que estavam sendo estudados, incluindo Baile Perfumado (Paulo Caldas, Lírio Ferreira, 1996), Um céu de estrelas (Tata Amaral, 1996), O invasor (Beto Brant, 2001), Amarelo Manga (Cláudio Assis, 2002), Cidade de Deus (Fernando Meirelles e Kátia Lund, 2002), Cinema, aspirinas e urubus (Marcelo Gomes, 2005), O som ao redor (Kleber Mendonça Filho, 2012), Amor, plástico e barulho(Renata Pinheiro, 2013), Tatuagem (Hilton Lacerda, 2013), Rio Doce-CDU (Adelina Pontual, 2013), entre outros. 

Além dos diretores desses filmes, Nagib e Paiva entrevistaram também a montadora Vania Debs, o músico DJ Dolores (Helder Aragão), a curadora Ana Farache e o produtor João Vieira Jr. A equipe de produção envolveu outros pesquisadores da área a exemplo de Albert Elduque e a pernambucana Silvia Macedo. As filmagens aconteceram em Recife, São Paulo e Cambridge e contou com imagens de Francisco Baccaro, Joyce Cury, Hsin Hsieh e Kjetil Muri Skarstein.

Passagens se insere numa nova tendência dos estudos cinematográficos que é a disseminação dos seus resultados por meios audiovisuais. Para Samuel Paiva “o filme ou vídeo ensaio é uma maneira contemporânea pela qual a pesquisa pode ter um impacto maior, atingindo um público mais amplo além dos limites acadêmicos”. Publicações acadêmicas como a revista [in] Transition têm se especializado neste tipo de produção. Há também festivais dedicados à produção audiovisual acadêmica. “O grande desafio, no entanto, é expandir a circulação desses produtos em outros setores culturais, como cinemas, festivais, televisão, museus, internet. Esperamos que Passagens circulem por todos esses canais”, completa Paiva.

Leia Mais
MANA ganha remix de André Abujamra para a faixa “Luas e Ondas”