A série Faça Uma Playlist traz inspirados em clássicos musicais de diferentes gêneros, épocas e estilos. Os textos são assinados por , roteirista e escritor paraense, radicado no Rio de Janeiro, autor do livro Sujando os Sapatos – O Caminho Diário da Reportagem, entre outros. As artes são de Igor Alves, ilustrador e DJ paraense, atualmente residente em Portugal.

Era a nossa última festinha do ano. E da década. Organizamos com todo o cuidado do mundo. Nas últimas semanas, nas pausas de tudo, a gente se perguntava como ia ser a partir de agora. Colégio novo, segundo grau chegando. Meu pai falava que a ditadura ia cair de podre. Minha mãe ficava avexada quando ele falava essas coisas. Eu nem sabia direito dessa tal ditadura.

O que eu ficava imaginando era como seriam os anos 80. Meus 14 anos. E pensava em Vera. Verinha. Na festa. Em dançar com ela.

O grande dia chegou. O auditório da escola, sem as cadeiras, se tornou um ótimo salão de baile. Todo mundo foi chegando. Eu tinha gravado umas fitas bem legais, de discoteca e música lenta. Já tinha tudo planejado na minha cabeça. Quando Donna Summer, Bee Gees e Sylvester estivessem fazendo todo mundo sacolejar, eu dançaria perto de Verinha. Quando fosse a vez das músicas lentas, eu pegaria a mão dela. Pegar a mão era essencial, tinha me dito meu primo. Ele era mais velho, devia saber das coisas.

Verinha chegou com Maurício. Dançou quase o tempo todo com ele. Fui perdendo as esperanças. A festa já não tinha mais graça. Troquei a fita. As músicas lentas, todas ali. Selecionadas para Verinha dançar comigo, não com Maurício.

Eu fazia força ‘pra’ não chorar de raiva. Fiquei num canto, enquanto Maurício cochichava alguma coisa e Verinha ria, jogando o pescoço ‘pra’ trás, como ela sempre fazia.

A última música lenta já ia começar. Eu conhecia a sequência de cor e salteado. Era Easy, dos Commodores. Respirei fundo. Era a hora de ir embora.

– Dança comigo?

Júlia, a Julica, sorria pra mim. Devo ter feito a maior cara de bobo. Ela repetiu o convite. Tomou minha mão e me levou até o centro do salão no exato momento em que o pianão do Lionel Ritchie começou. Naquela noite, em pouco mais de quatro minutos de uma canção, minha dor de cotovelo se transformou em nova paixão. Afinal, depois do primeiro beijo de minha vida, eu sabia que ficaria ‘tranquilo como as manhãs de domingo’. 

https://open.spotify.com/track/1JQ6Xm1JrvHfvAqhl5pwaA?si=-F53EEl4Rja8W3WN72ZSig

Leia mais da série:

Leia Mais
Músicas novas da semana com Anitta e Cardi B, Carne Doce, Faye Webster, Rico Nasty e Sam Smith