Foto: Jamille Queiroz/Divulgação.

Fernando Catatau passeia pela Fortaleza sci-fi no álbum de estreia

Estreia do músico cearense chega repleto de colaborações (YMA, Manoel Cordeiro, Giovani Cidreira) e novas sonoridades, como rock e eletrônica

Fernando Catatau lança o seu primeiro trabalho solo após mais de 20 anos à frente de sua banda, o Cidadão Instigado. O músico cearense apostou em uma abordagem conceitual que lhe permitiu explorar diferentes sonoridades, como o pop contemporâneo, reggae, surf rock e a eletrônica.

O álbum homônimo se inspira numa Fortaleza, que oscila entre o passado, o presente e o futuro cyberpunk, como um espelho quebrado em que os reflexos se alternam caoticamente. A guitarra, instrumento que sempre foi o parceiro de Catatau a vida inteira, neste disco, está presente o mínimo possível. Tocada por Catatau e dois dos convidados, o guitarrista cearense Cristiano Pinho e o mestre das guitarradas Manoel Cordeiro, a guitarra surge apenas pontual.

O foco das músicas, são as texturas, criados com ajuda de Dustan Gallas no sintetizador e Samuel Fraga na bateria, que formam a banda base do disco inteiro.

O disco representa uma nova fase na vida do músico, que retorna à sua cidade natal após morar em São Paulo por 15 anos. O olhar de Catatau para Fortaleza, contudo, não é nostálgico, nem mascarado pelos clichês. As letras e o tom das canções trazem um tom sincero que revelam um espaço urbano muito complexo. A partir desses passeios pela cidade, o músico aborda temas como o impacto da pandemia (“Nada Acontece”, que foi single, com Giovani Cidreira e Juliana R), solidão, falta de empatia (“Os Monstros”, com Melindra Lindra), e o amor romântico (“Completamente Apaixonado”, com YMA), entre outros.

Novos Sons da Semana: Baco Exu do Blues fala de afeto em disco que exalta samba e R&B

Quantas vezes você já foi amado?, novo e aguardado trabalho de Baco Exu do Blues é o disco da semana na nossa coluna Novos Sons. O músico baiano amplia suas referências e explora o samba, com samplers de Originais do Samba, Gal Costa e Vinícius de Morais. Com produção musical de Marcelo de Lamare e beats de JLZ, Nansy Silvvz e Dactes, o álbum traz participação especial de Gloria Groove (na ótima “Samba in Paris”) e Muse Maya em “Sei […]

Read more

É um disco bastante melancólico, como são todas as boas narrativas de ficção científica. O olhar cyberpunk é atravessado por um misto de pessimismo, alerta, mas no caso de Catatau nesse trabalho, o horror do futuro chega também com um olhar generoso, nada niilista, de que tudo pode melhorar.

Um dos melhores trabalhos da música brasileira esse ano, Fernando Catatau, surpreende por revelar um artista cheio de vigor para experimentar.

O disco está disponível em todas as plataformas de streaming.

Leia Mais
Ana Cañas revisita Belchior em novo show no Recife