Festival de Cinema de Triunfo anuncia os vencedores das mostras competitivas

Premiações foram entregues na noite do sábado (10)

Foto: Luiz Felipe Bessa/ Cultura Governo de Pernambuco.

O Festival de Cinema de Triunfo voltou ao presencial após o período de maiores restrições da pandemia e aconteceu de 5 a 11 de dezembro no Cineteatro Guarany, em Triunfo, Sertão de Pernambuco. O evento que contou com 38 filmes em competição, anunciou os vencedores das mostras competitivas da edição.

O júri oficial selecionou os filmes, representantes de 13 estados brasileiros, em 15 categorias. Além do tradicional Troféu Caretas, outras duas premiações foram concedidas, o Troféu Fernando Spencer, que foi concedido para o melhor personagem da categoria longa-metragem, e o Troféu Cineclubista, criado pela Federação Pernambucana de Cineclubes (FEPEC), que premiou o “melhor filme para reflexão” segundo a Fepec.

Confira a lista dos vencedores:

TROFÉU CINECLUBISTA

Melhor filme para reflexão
Nossas Mãos Sagradas, de Julia Morim

Menção honrosa
Pode falar – Uma autoficção, de Evandro Manchini

PRÊMIOS DA ABD/APCI

Melhor Curta-metragem dos Sertões
Dentra, de Bruna Florie

Melhor Curta-metragem Pernambucano
Da Boca da Noite à Barra do Dia, de Tiago Delácio

Melhor Curta-metragem Nacional
Andrômeda, de Lucas Gesser

Melhor Curta-metragem Infanto-juvenil
Rua Dinorá, de Natália Maia e Samuel Brasileiro

PRÊMIOS DO JÚRI POPULAR DE CURTA-METRAGEM

Longa-metragem Nacional
O Bem Virá, de Uilma Queiroz

Curta-metragem Nacional
Time de Dois de André Santos

Curta-metragem Infanto-juvenil
Rua Dinorá, de Natália Maia e Samuel Brasileiro

Curta-metragem Pernambucano
Inabitável, de Matheus Farias e Enock Carvalho

Curta-metragem dos Sertões
Voz do relho: um filme sobre Joaneide Alencar, de Leonardo Soares e Raquel Medeiros

PRÊMIOS DO JÚRI OFICIAL DE CURTA-METRAGEM

Menção honrosa
Um filme com Celso Marconi
, de Helder Lopes e Paulo de Sá Vieira
Cabocolino
, de João Marcelo
Da boca da noite a barra do dia
, de Tiago Delácio

Curta-metragem Nacional
Poder falar – uma autoficção, de Evando Manchini

Curta-metragem Infanto-juvenil
Capitão Tochade Mateus Amorim

Curta-metragem Pernambucano
I
nabitávelde Matheus Farias e Enock Carvalho

Curta-metragem Sertões
Dentrade Bruna de Florie

Melhor Direção
Matheus Farias e Enock Carvalho, por Inabitável

Melhor Fotografia
Petrônio Neto, pelo filme Andrômeda

Melhor Montagem
Evandro Manchini, pelo filme Poder Falar- Uma autoficção

Melhor Roteiro
Matheus Farias e Enock Carvalho, pelo filme Inabitável

Melhor Produção
Catarina Doolan, Geórgia Hacradt, Pedro Medeiros, pelo filme Vale do Vento Eterno

Melhor Direção de Arte
Bianca Feitoza, pelo filme Lamento de Força Travesti

Melhor Trilha Sonora
Ronaldo Lafayer e Steve Patuta pelo filme Vale do Vento Eterno

Melhor Som
Jean Gengnagel e Cicero Bordignon pelo filme Nonna

Melhor Ator
Evando Manchini, pelo filme Poder Falar- Uma autoficção

Melhor Atriz
Luciana Souza, pelo filme Inabitável

PRÊMIOS DO JÚRI OFICIAL LONGA-METRAGEM

Menção honrosa
O Povo Pode?, de Max Alvim

Melhor Filme
O Bem Virá,de Uilma Queiroz

Troféu Fernando Spencer
Personagem Jack Celeste, de Germino Pétalas no Asfalto

Melhor Ator
Luciano Pedro Junior, pelo filme Carro Rei

Melhor atriz
Suzana Castelo, pelo filme Delicadeza

Melhor Som
Julio Matos, pelo filme Germino Pétalas no Asfalto

Melhor Trilha Sonora
DJ Dolores, Filme Carro Rei

Melhor Direção de Arte
Mônica Martins, pelo filme Delicadeza

Melhor Produção
Sérgio Oliveira pelo filme Carro Rei

Melhor Roteiro
Uilma Queiroz, pelo filme O Bem Virá

Melhor Montagem
Luiza Fagá, pelo filme Germino Pétalas do Asfalto

Melhor Fotografia
Aldo Ribeiro e Ricardo Stuckert pelo filme O povo pode?

Melhor Direção
Uilma Queiroz, pelo filme O Bem Virá

Leia Mais
Espetáculo ao ar livre de Mozart Santos projeta textos dos poetas pernambucanos João Cabral de Melo Neto e Miró da Muribeca no Recife