O longa Winter Sleep. (Foto: Divulgação).

O longa . (Foto: Divulgação).

O longa turco Winter Sleep, do diretor (Era uma Vez na Anatólia) venceu a Palma de Ouro no Festival de Cannes deste ano. A premiação aconteceu neste sábado (24). “Dedido este prêmio a todos os que perderam a vida ao longo do último ano”, disse o diretor durante os agradecimentos.

Leia Mais
Único representante brasileiro, curta pernambucano vence prêmio em Cannes

Esta é a segunda vez que a Turquia conquista o prêmio máximo de Cannes. A primeira vez foi com O Caminho, de Yilmaz Guney e Serif Goren, em 1982, há 32 anos. Winter Sleep conta a história de um humorista aposentado que cuida de um pequeno hotel enquanto vive a falta de sua jovem esposa. O prêmio foi entregue pela atriz Uma Thurman e pelo diretor Quentim Tarantino, que comemoravam em Cannes os 20 anos de Pulp Fiction – Tempo de Violência.

Os prêmios de interpretação foram vencidos por Julianne Moore por Maps To The Stars, de David Cronenberg. Já Timothy Spall ficou com a Palma de ator pelo papel em Mr. Turner, de Mike Leigh.

O Grande Prêmio do Júri, que é tipo um segundo lugar, foi para Le Maraviglie (As Maravilhas), da italiana Alice Rohrwacher. O Prêmio do Júri, foi para o canadense Mommy, do jovem Xavier Dolan, de apena 25 anos, o mais novo cineasta da competição no festival este ano. O júri ainda fez uma menção especial para Jean-Luc Godard, que é o mais velho diretor deste ano (83 anos). Ele tinha dito que não queria receber nenhum prêmio especial pela carreira – mas pelo visto acabou não sendo ouvido.

O prêmio de melhor diretor foi para Bennet Miller (de Capote), que exibiu em Cannes Foxcatcher, com Steve Carrell. O melhor roteiro foi para o russo Leviathan.

O prêmio de melhor curta ficou para Leidi, do diretor colombiano Simón Mesa Soto. O francês Aïssa e o norueguês Javi Elsker receberam menções especiais.

Presidido pela neozelandesa Jane Campion (de O Piano), o júri esse ano foi formado por Willem Dafoe, Gael García Bernal, Sofia Coppola, Carole Bouquet, a atriz iraniana Leila Hatami (A Separação), o chinês Jia Zhang-Ke (Um Toque de Pecado), o dinamarquês Nicolas Winding Refn (Drive) e a atriz coreana Jeon Do-Yeon.

Cachorrada do filme húngaro White God. (Divulgação).

Cachorrada do filme húngaro. (Divulgação).

Um Certo Olhar

O longa White God, filmado em Budapeste, venceu o prêmio da mostra Um Certo Olhar. O diretor húngaro Kornél Mundruczó foi um dos mais comentados dessa edição do festival com uma cena de cachorros filmado com animais reais. O filme conta a história de uma garota e seu melhor amigo, um cão. O pai dela não aguenta mais ele e decide colocá-lo em um canil.

O longa ainda venceu o prêmio de tiração de onda Palm Dog, para a melhor interpretação canina do ano.

O documentário sobre o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, The Salt of the Earth (O Sal da Terra), dirigido por Wim Wenders com o filho do fotógrafo, Juliano Ribeiro Salgado, venceu o Prêmio Especial da Mostra.

Semana da Crítica

The Tribe, do diretor Myroslav Slaboshpytskiy, que usa apenas linguagens de sinais venceu a mostra paralela Semana da Crítica. O curta franco-italiano de Jonas Carpignano A Ciambra (Young Lions of Gypsy), foi o vencedor do prêmio revelação. Já Hope, do francês Boris Lojkine, levou o prêmio SACD.

Curta foi gravado em Alagoas e Pernambuco. (Divulgação).

Curta foi gravado em Alagoas e Pernambuco. (Divulgação).

Quinzena dos Realizadores

Único representante brasileiro em Cannes este ano, Sem Coração, de Tião e Nara Normande, venceu o prêmio de melhor curta na mostra Quinzena dos Realizadores. O filme foi filmado em Pernambuco e Alagoas e mostra a história de um casal de jovens de realidades sociais bem distintas formada por um garoto da cidade grande e uma menina moradora de uma vila de pescadores que usa um marca-passo.

Veja a lista completa de vencedores:

SELEÇÃO OFICIAL

Palma de Ouro
“Winter Sleep” (Kis Uykusu), de Nuri Bilge Ceylan

Grand Prix
“Le Maraviglie”, de Alice Rohrwacher

Melhor diretor
Bennett Miller, por “Foxcatcher”

Melhor ator
Timothy Spall, por “Mr. Turner”

Melhor atriz
Julianne Moore, por “Maps to the Stars”

Prêmio do júri
“Mommy”, de Xavier Dolan, e “Adieu au langage”, de Jean-Luc Godard

Melhor roteiro
Andrey Zvyagintsev e Oleg Negin, por Leviathan

MOSTRA UM CERTO OLHAR

Prêmio Um Certo Olhar
FEHÉR ISTEN, de Kornél Mundruczó

Prêmio do Júri
TURIST, de Ruben Östlund

Prêmio Especial Um Certo Olhar
THE SALT OF THE EARTH, de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado

Prêmio de Conjunto
PARTY GIRL de Marie Amachoukeli, Claire Burger e Samuel Theis

Prêmio de Melhor Ator
David Gulpilil em CHARLIE’S COUNTRY de Rolf de Heer

SEMANA DA CRÍTICA

Grande Prêmio Nespresso
The Tribe, de Myroslav Slaboshpytskiy

Prêmio Revelação
The Tribe, de Myroslav Slaboshpytskiy

Prêmio SACD
Hope, de Boris Lojkine

Prêmio Descoberta para Curta-Metragem
A Ciambra, de Jonas Carpignano

Prêmio Canal para Curta-Metragem
Crocodile, de Gaëlle Denis

Garantia de Distribuição da Fundação Gan
The Tribe, de Myroslav Slaboshpytskiy

[Via AFP, Variety, UOL, CineMarcado]

Sem mais artigos