O Brasil e o mundo vive em situação de isolamento social por conta do novo coronavírus, o COVID-19. No entanto, muitos artistas estão dando o jeito que podem para continuarem trabalhando e levando leveza e acalento através da música e de outras manifestações artísticas.

lançaram um novo trabalho, o single , dando continuidade a jornada dos dois, que teve início com a faixa Baguncinha. A nova música não seu tema relacionado a vírus nenhum, mas surge como uma válvula de escape para dançar e tentar se alegrar em meio a este período de quarentena. Além disso, fala do que mais temos saudade: o toque, o carinho, o abraço, o beijo, e, sem dúvida, a aglomeração. Esta vontade de levar animação é algo que está no DNA da dupla.  “Nós gostamos de festa e esse som tá aí pra jamais esquecermos disso. Já já a gente vai tá se pegando, se esfregando e fazendo tudo que tem direito. É logo menos. Nós estamos torcendo por isso”, afirmam.

Começaram a tocar quando jovens, formando uma banda na adolescência, passando pelo rock, metal, até posteriormente alcançarem os ritmos brasileiros. Cada um escolheu um caminho. Fellipe teve a banda Filtra, que ousava ao misturar psicodelia com sons regionais, e que tocou em festivais e cidades de todo o país. Fred formou a banda Comodoro, projeto que buscava, através dos ritmos musicais brasileiros e latino-americanos, atingir o grande público com uma roupagem mais popular.

A dupla caminha por diversos segmentos, do pagodão baiano ao bregafunk, fazendo uma grande celebração ao que mais importa: ser feliz, dançar, se jogar e se permitir.

Leia Mais
Jonatas Onofre Quarteto une dança e protesto no clipe de “Luz na Luz”