Childish Gambino foi um dos principais vencedores do Grammy 2019, que aconteceu nesse domingo (10). Mas ele boicotou a premiação, o que causou comoção uma vez que ele levou os prêmios mais cobiçados (melhor gravação e melhor canção) por “This Is America”. O gesto teve um impacto que ressoou a história da premiação com os artistas negros.

Há anos que artistas como Kendrick Lamar,  e Jay-Z se posicionam contra o modo como a Academia de Gravação dos EUA, que organiza o Grammy, trata os artistas negros e negras. Drake também é conhecido por criticar o Grammy, mas ainda que tenha se negado a se apresentar, esteve presente para receber o troféu de melhor música de rap com “God’s Plan”.

A primeira crítica dos artistas e parte do público com o Grammy tem a ver com um racismo institucionalizado escondido nas estatísticas. Mesmo sendo campeões de indicações, rappers e artistas de R&B sempre perdiam os troféus para o rock e o pop de maioria branca. Em anos de aclamação da crítica especializada e inegável sucesso, Beyoncé perdeu o prêmio de melhor álbum por Lemonade para Adele em 2017.

Este ano, a tradição se manteve: Kacey Musgraves levou por Golden Hour, uma mescla de pop e country que foi bastante elogiada no ano passado. Outro dado que chama atenção é que nunca um trabalho de rap venceu essa categoria em seis décadas de premiação. O reconhecimento do gênero como um todo foi tardia: a categoria de melhor álbum de rap só foi criada em 1996.

A despeito dessa relação conturbada, o rap fez história nessa edição do Grammy. Childish Gambino foi o primeiro rapper a vencer as categorias de melhor gravação e melhor música do ano em toda a história com “This Is America”. Chama atenção o fato da música ser uma canção de protesto com críticas à violência policial e o racismo da sociedade norte-americana e não um hit de verão. Ludwig Göransson, coautor da música, não sabia dizer onde estava Donald Glover nem se sua ausência se tratava de fato de um boicote. Mas o gesto foi sentido.

Já Cardi B levou o prêmio de melhor disco de rap se tornando a primeira mulher a levar esse troféu nessa categoria. Subiu ao palco bastante emocionada depois de ter feito uma apresentação incrível de sua nova faixa, “Money”.

É de se destacar também a tentativa da premiação em tornar o prêmio mais diversificado com a inclusão de um maior número de indicados. A apresentadora Alicia Keys a todo tempo fazia questão de ressaltar essa celebração étnica, cultural e de gênero.

Foi o ano do público conhecer Brandi Carlile, a mais indicada da noite em seis categorias. A cantora norte-americana é abertamente lésbica e desafia padrões históricos ao fazer um som baseado no country e na música popular americana, mas com letras queers. Sua apresentação foi uma das mais emocionantes da noite e ela ainda levou os troféus por “melhor canção de raízes americanas” e “melhor álbum” desse mesmo gênero. “Saí do armário aos 15 anos e posso garantir que nunca me convidaram para nenhuma festa ou baile”, disse emocionada ao segurar o Grammy.

Cada vez mais focada em ser uma coletânea de shows, o Grammy mostra claramente uma tentativa de renovação buscando assegurar uma relevância em um momento onde a indústria do disco segue em acelerada transformação. Várias das apresentações podem ser vistas no YouTube da Academia.

Veja a lista completa de vencedores:

Álbum do ano
Kacey Musgraves – Golden Hour

Gravação do ano
Childish Gambino – This Is America

Artista revelação
Dua Lipa

Melhor disco de Rap 
Cardi B – Invasion of Privacy

Melhor R&B Album
H.E.R. – H.E.R.

Melhor música de rap
Drake – God’s Plan

Música do ano
Childish Gambino – This Is America

Melhor Pop Duo/Grupo
Lady Gaga and Bradley Cooper – Shallow

Produtor do ano – não-clássico
Pharrell Williams

Melhor performance de rap cantada
Childish Gambino – This Is America

Melhor Performance de rap
(Tie)
Kendrick Lamar, Jay Rock, Future, & James Blake – King’s Dead
Anderson .Paak – Bubblin

Melhor disco de rock
Greta Van Fleet – From the Fires

Melhor música de rock
St. Vincent – Masseduction

Melhor  Performance de metal
High on Fire – Electric Messiah

Melhor Performance de rock
Chris Cornell – When Bad Does Good

Melhor disco urbano contemporâneo
The Carters – Everything Is Love

Best R&B – música
Ella Mai – Boo’d Up

Melhor performance de R&B tradicional
(Tie)
Leon Bridges – Bet Ain’t Worth the Hand
PJ Morton – How Deep Is Your Love [ft. Yebba]

Melhor R&B Performance
H.E.R. – Best Part [ft. Daniel Caesar]

Melhor Latin Jazz Album
Dafnis Prieto Big Band – Back to the Sunset

Melhor disco de grupo de jazz
John Daversa Big Band – American Dreamers: Voices of Hope, Music of Freedom

Melhor disco de jazz Instrumental
The Wayne Shorter Quartet – Emanon

Melhor disco de jazz vocal
Cécile McLorin Salvant – The Window

Melhor disco de jazz improvisado
John Daversa – Don’t Fence Me In

Melhor disco de reggae
Sting & Shaggy – 44/876

Melhor disco de dance
Justice – Woman Worldwide

Melhor gravação de Dance
Silk City & Dua Lipa – Electricity [ft. Diplo and Mark Ronson]

Melhor composição de clássico contemporâneo
Kernis – Violin Concerto

Melhor compêndio de clássico
Fuchs – Piano Concerto Spiritualist

Melhor disco clássico de vocal solo
Monteverdi – Songs of Orpheus

Melhor clássico instrumental solo
Kernis – Violin Concerto

Melhor música de câmara de grupo
Laurie Anderson – Landfall

Melhhor performance coral
McLoskey – Zealot Canticles

Melhor gravação de ópera
Bates – The (R)evolution of Steve Jobs

Melhor performance de orquestra
Shostakovich – Symphonies Nos. 4 & 11

Produtor do ano, clássico
Blanton Alspaugh

Melhor engenheiro de álbum, clássico
Shostakovich – Symphonies Nos. 4 & 11

Melhor Pop Vocal Album
Ariana Grande – Sweetener

Melhor Pop Vocal Album tradicional
Willie Nelson – My Way

Melhor Pop Solo Performance
Lady Gaga – Joanne (Where Do You Think You’re Goin’?)

Melhor Música Country
Kacey Musgraves – Space Cowboy

Melhor Country Duo/Group Performance
Dan & Shay – Tequila

Melhor Country Solo Performance
Kacey Musgraves – Butterflies

Melhor filme musical
Quincy Jones – Quincy

Melhor Video
Childish Gambino – This Is America

Melhor Regional Roots Album
Kalani Pe’a – No ’Ane’i

Melhor Tropical Latin Album
Spanish Harlem Orchestra – Anniversary

Melhor Regional Mexican Music Album
Luis Miguel – ¡México Por Siempre!

Melhor Latin Rock, Urbano ou Alternativo Album
Zoe – Aztlán

Melhor Latin Pop Album
Claudia Brant – Sincera

Melhor Word Album falado
Jimmy Carter – Faith: A Journey for All

Melhor disco infantil
Lucy Kalantari & The Jazz Cats – All the Sounds

Melhor Folk Album
Punch Brothers – All Ashore

Melhor Blues contemporâneo Album
Fantastic Negrito – Please Don’t Be Dead

Melhor Blues Tradicional Album
Buddy Guy – The Blues Is Alive and Well

Melhor Bluegrass Album
The Travelin’ McCourys – The Travelin’ McCourys

Melhor Album de raízes americanas
Brandi Carlile – By the Way, I Forgive You

Melhor música de raízes americanas
Brandi Carlile – The Joke

Best Performance de raízes americanas
Brandi Carlile – The Joke

Melhor New Age Album
Opium Moon – Opium Moon

Melhor música feita para filme ou TV
Lady Gaga & Bradley Cooper – Shallow

Melhor trilha sonora
Ludwig Göransson – Black Panther

Melhor compilação para cinema e TV
The Greatest Showman

Melhor World Music Album
Soweto Gospel Choir – Freedom

Melhor Roots Gospel Album
Jason Crabb – Unexpected

Melhor Contemporary Christian Music Album
Lauren Daigle – Look Up Child

Melhor Gospel Album
Tori Kelly – Hiding Place

Melhor Contemporary Christian Music Performance/Song
Lauren Daigle – You Say

Melhor Gospel Performance
Tori Kelly Featuring Kirk Franklin – Never Alone

Melhor Contemporary Instrumental Album
Steve Gadd Band – Steve Gadd Band

Melhor  Immersive Audio Album
Eye in the Sky: 35th Anniversary Edition

Melhor Remixed Recording
HAIM – Walking Away (Mura Masa remix)

Melhor produção em Album, não-clássico
– Colors

Melhor Album histórico
Various Artists – Voices Of Mississippi: Artists And Musicians Documented By William Ferris

Melhor Album Notes
Various Artists – Voices Of Mississippi: Artists And Musicians Documented By William Ferris (David Evans)

Melhor caixa ou edição especial
“Weird Al” Yankovic – Squeeze Box: The Complete Works Of “Weird Al” Yankovic

Melhor pacote/caixa de disco
St. Vincent – Masseduction

Melhor arranjo instrumental e vocal
Randy Waldman Featuring Take 6 & Chris Potter – Spiderman Theme

Melhor arranjo instrumental e vocal, Instrumental ou a Capella
John Daversa Big Band Featuring DACA Artists – Stars and Stripes Forever

Melhor composição Instrumental
Terence Blanchard – Blut Und Boden (Blood And Soil)

Melhor Alternative Music Album
Beck – Colors

Melhor Musical Theater Album
The Band’s Visit

Melhor Comedy Album
Dave Chappelle – Equanimity & the Bird Revelation

Sem mais artigos