Para celebrar o Dia Internacional do Orgulho LGBTI+ convidamos artistas, editores e demais profissionais ligados aos quadrinhos para indicarem obras com conteúdos ligados à diversidade sexual e de gênero.


HQs do Orgulho
Amanda Miranda indica Lalo, Diana Salu e QueNuncaAcaba
Alexandre Figueirôa indica Bendita Cura
Lima Neto indica O Marido do Meu Irmão
Dandara Palankof indica Estranhos no Paraíso
Mário César indica Renata Nolasco e Ralf König
Carol Almeida indica Fun Home, de Alison Bechdel
Alessandra Costa indica Histórias Quentinhas Sobre Sair do Armário
Aline Zouvi indica Aline Lemos e Kael Vitorelo


, de
Como inspirar empatia em uma rígida sociedade protocolar e preconceituosa? Buscar uma resposta pra esse problema se tornou um trabalho mais que pessoal para o mangaká Gengoroh Tagame, resultando no belíssimo O Marido do Meu Irmão, publicado no Brasil pela Panini.

O Mangá conta a história de Yashi, um pai solteiro que tem que lidar com a visita do marido de seu falecido irmão gêmeo, Mike. Um corpulento canadense que embarca no Japão para conhecer a história de seu marido e realizar um último desejo. Tagame, conhecido como um dos principais quadrinistas do estilo Bara – narrativas homoeróticas protagonizadas por personagens grandes e parrudos (os famosos bears) – se propõe a criar um quadrinho diferente do seu estilo usual, com sensibilidade e um saudável senso de didatismo que faz do mangá um instrumento que lança luz contra a escuridão do preconceito contra gays no Japão.

Sua relativa falta de habilidade artística pra um projeto de fôlego como esse (cerca de 700 páginas em dois volumes), é mais do que compensada pelo uso de estratégias refinadas para gerar empatia entre o leitor e a seus personagens. Temos uma história que se desenvolve a partir da imagem do outro, tanto o estrangeiro quanto o outro especular representado pelo irmão gêmeo, Ryoji.

O conflito entre Yashi e o outro que é a ausência do irmão (ausência tanto na morte dor irmão quanto na percepção que Yashi vai desenvolvendo de sua própria ausência na vivência do irmão), vai ser o fio narrativo que leva o leitor pelos diversos aspectos do preconceito e que vão sendo pragmaticamente desconstruídos com a ajuda de Mike e da adorável filha de Yashi, Kana. Uma leitura pra encher o coração de esperança, e os olhos de boas lágrimas. | Compre.

é um apaixonado por quadrinhos. É professor, doutor em Comunicação Social na UnB e editor da revista Brazilla. Atualmente também trabalha com direção de arte para animação. É um dos autores do blog sobre quadrinhos Raio Laser. Siga no Twitter.

Leia Mais
Adolf, de Osamu Tezuka, será reeditado no Brasil pelo Pipoca e Nanquim