Divulgação / WikiCommons
Divulgação / WikiCommons

A integrante das , , iniciou uma greve de fome contra a proibição de participar de uma audiência de condicional, agendada para esta quinta (23). No ano passado, Maria e outras duas companheiras de banda, e Nadezhda Tolokonnikova foram presas após um protesto contra as relações do presidente da Rússia Vladimir Putin e a Igreja Ortodoxa Cristã.

Leia Mais
O que as Pussy Riot tem a ver com a gente
Doc sobre as Pussy Riot estreia em Sundance

Tudo o que publicamos sobre Pussy Riot

O protesto aconteceu na Catedral do Cristo Salvador, em Moscou com uma espécie de “oração punk”. Depois de diversas audiências e protestos contra a prisão em diversas partes do mundo Yekaterina Samutsevich foi liberada, mas as outras duas continuam presas.

Maria se negou a participar da audiência de condicional através de um link ao vivo em vídeo, pois disse que isso fere seus direitos. Em entrevista para a revista Dazed, direto da prisão, realizado meses atrás e divulgado apenas hoje, ela afirmou que foi colocada em confinamento na solitária.

Mesmo presas, as integrantes do Pussy Riot seguem expondo o autoritarismo do regime russo atual. Livre, a ativista da banda Yekaterina, vem dando entrevistas para imprensa internacional e falou para a audiência do Festival de Sundance, em março, quando foi lançado um documentário sobre o grupo. Um documento de 68 páginas da Anistia Internacional publicado em abril mostrou que diversas leis russas desrespeitam tratados internacionais de direitos humanos.

Leia Mais
HQ coreana Grama conta drama de escrava sexual durante a Segunda Guerra Mundial