Foto: EuropeanPhotoAgency/Reprodução.
Foto: EuropeanPhotoAgency/Reprodução.
Foto: EuropeanPhotoAgency/Reprodução.

As integrantes do grupo feminista, Pussy Riot, Nadya Tolokonnikova e Maria Alyokhina, foram premiadas com o prêmio Hannah Arendt, um dos mais importantes do mundo na área de política.

Leia Mais
Integrantes das Pussy Riot estão processando o governo russo

O prêmio é dado às pessoas “que em seus pensamentos e ações aceitam com coragem o desafio da intervenção pública”. Este ano a premiação decidiu por um empate. As artistas russas diviram a vitória com o poeta e ensaísta ucraniano Jury Andruchowytsch.

Segundo o júri, tanto as meninas do Pussy Riot quanto Andruchowytsch são personagens importantes para exemplificar as mudanças que ocorrem hoje no antigo bloco soviético. O poeta tem sido uma voz ativa pela democracia na Ucrânia desde 2004 na chamada “Revolução Laranja”. Ele também esteve presente nos protestos contra o presidente pró-rússia Yanukovych.

Já as Pussy Riots foram presas após encenarem um performance de protesto contra Vladimir Putin em uma catedral em Moscou. Elas foram soltas em dezembro do ano passado e desde então têm viajado pelo mundo para expor as violações aos direitos humanos na Rússia.

A entraga do prêmio Hannah Arendt este ano acontecerá dia 5 de dezembro deste ano, em Bremen, na Alemanha.

Leia Mais
O que as Pussy Riot tem a ver conosco
Annie faz música de protesto contra lei anti-gay russa
Um calendário contra a homofobia
Pussy Riot são soltas após anistia

Leia Mais
Bolsonaro veta a Lei Paulo Gustavo, que destinaria R$ 3,8 bi à cultura