Janeiro de Grandes Espetáculos: 29ª edição traz programação com mais de 100 espetáculos de teatro, música e dança

A programação está distribuída entre Recife, Olinda e mais oito cidades do interior pernambucano; os ingressos já estão à venda

O espetáculo "Angu de Sangue" integra a programação da Maratona do coletivo Angu de Teatro, que apresenta três peças no 29º JGE. (Foto: Tuca Siqueira/Divulgação).

Chegando a sua 29ª edição, o Janeiro de Grandes Espetáculos – Festival Internacional de Artes Cênicas e Música de Pernambuco terá seu retorno totalmente presencial após a pandemia de Covid-19. De 10 a 29 de janeiro de 2023, o evento ocupará 17 equipamentos culturais de Recife, Olinda e cidades do interior, trazendo ao público uma programação que busca valorizar a arte pernambucana com mais de 100 apresentações de música, teatro, dança e circo.

Abrangendo, ao todo, 10 cidades, a programação está distribuída, no Recife, entre o Teatro de Santa Isabel, Teatro do Parque, Teatro Luiz Mendonça, Teatro Barreto Júnior, Teatro Apolo, Teatro Hermilo Borba Filho, Teatro Marco Camarotti e Teatro RioMar, além de Olinda, que estreia na grade com o Teatro Fernando Santa Cruz. No interior, são oito as cidades contempladas: São Benedito do Sul, Caruaru, Garanhuns, Triunfo, Buíque, Arcoverde, Surubim e Petrolina.

Com preços que variam de R$ 10,00 a R$ 70,00, os ingressos já estão disponíveis para compra através da plataforma Guichê Web. Além de algumas sessões gratuitas, o evento promove também ações de meia entrada para todos.

Deixando o Teatro de Santa Isabel, a abertura desta edição acontece, de forma inédita, no Teatro Marco Camarotti, com a estreia do espetáculo Cúmplices – Transgressões de um Ricardo III, uma co-produção Recife/Portugal, do dramaturgo Moncho Rodriguez. “Cumplices é um alerta de que o teatro deve voltar a assumir sua função de ser um provocador social. O teatro como arte tem que inquietar, não pode permanecer apenas no entretenimento pelo entretenimento”, comentou Rodriguez em coletiva de imprensa realizada nesta terça (22).

Principal linguagem contemplada pelo festival, as artes cênicas chegam com atrações tanto para o público adulto, quanto infantojuvenil. Este ano o Janeiro bate recorde de apresentações voltadas às crianças e jovens, com 12 atrações no total. Priorizando também a inclusão de produções LGBTQIA+, a grade do 29º JGE traz as peças Eternamente Bibi, da Cara Dupla Coletivo Teatro (PB) e O Boteco da Dona, da Amotrans-PE, a Articulação e Movimento para Travestis e Transexuais de Pernambuco.

Enquanto Godot Não Vem, da Cia. Dois em Cena, ocupará o palco do Teatro Apolo, no dia 20 de janeiro. (Foto Arnaldo Sete/Divulgação).

Na programação musical, destacam-se as apresentações de grandes artistas locais como Mundo Livre S/A, que celebra os 30 anos do Manguebeat; Almério, que traz o show Tudo é Amor – Almério Canta Cazuza; Silvério Pessoa, com o espetáculo Sangue de Amor; e Martins com seu No Parque, um show no formato voz e violão.

Nas artes circenses, a programação conta com nomes como o mágico Rapha Santa Cruz trazendo o espetáculo Abracasabra, que combina humor e interatividade, e a tradicional companhia recifense Dois em Cena encenando Enquanto Godot Não Vem. Já na dança, Às Vezes eu Kahlo (RS), Eu Não Sou Daqui (SP) e Heranças da África (Grupo Bacnaré/PE) são alguns dos principais espetáculos.

O 29º JGE conta também com quatro ações especiais: a Maratona Angu de Teatro, que traz os espetáculos Angu de Sangue, Ópera e Ossos; o Festival PalhAçaria, que promove a 4ª edição de sua versão pocket; o Festival de Pole Dance, que chega à segunda edição; e a Programação Especial São Benedito do Sul.

Além de homenageados, o grupo O Poste integram a grade com a peça O Irôko, a Pedra e o Sol, vencedora do Prêmio Sesc de Artes Cênicas. (Foto: Samuel Santos/Divulgação).

Em 2023, os homenageados são o multiartista Helder Vasconcelos, integrante da banda Mestre Ambrósio; os artistas circenses da Família Denis; o grupo O Poste Soluções Luminosas, de produção artística e pesquisas teatrais voltadas à matriz africana; e o professor e coreógrafo de Dança Popular, Valdeck Farias.

Com curadoria de Sônia Bierbard, Cláudia São Bento, Geraldo Maia e Didha Pereira, esta edição premiará 25 profissionais — cinco deles com premiação em dinheiro, no valor de R$ 2 mil cada, além da entrega do troféu do Prêmio JGE de Teatro, Dança, Circo e Música de Pernambuco. A gerência de programação é de Paulo de Castro e Paulo de Pontes.

Leia Mais
HQ The Flower Pot ganha reposição em todo o Brasil