Kleber Mendonça Filho criticou recentes demolições no Recife (Foto: Divulgação)
Kleber Mendonça Filho criticou recentes demolições no Recife (Foto: Divulgação)
Kleber Mendonça Filho criticou recentes demolições no Recife (Foto: Divulgação)

O Janela de Cinema confirmou sua personalidade “ativista” na abertura do festival este ano. O curador e produtor Kléber Mendonça Filho, que também é diretor de O Som Ao Redor, lembrou como a palavra “demolição” anda em voga no Recife em 2013. Ele apresentava o curta Censura Livre (1979), de Ivan Cordeiro.

Sexo, amor e política, com Tatuagem

O filme mostra as demolições que aconteceram em antigos cinemas do Recife a partir dos anos 1970 para dar lugar a supermercados e outros empreendimentos. O curta em super-8 faz uma investigação poética, com ajuda de um Carlitos, para mostrar a perda de espaços de cultura como o Cine Torre, Cine Boa Vista e outros cinemas de bairro em nome de um relativo ‘desenvolvimento’.

Este é o primeiro filme restaurado pelo Janela de Cinema. A cópia em super-8 foi levada para Los Angeles onde ganhou tratamento para ser convertido para 2K. “Esperamos que a cada anos possamos recuperar algum filme da cinematografia pernambucana”, disse Kléber. Ainda com seu espírito ativista, o Janela usou o tema “manifestação” para guiar a seleção de filmes clássicos na programação este ano.

Clássico de Spike Lee, Faça a Coisa Certa, ficou ainda mais explosivo (Divulgação)
Clássico de Spike Lee, Faça a Coisa Certa, ficou ainda mais explosivo (Divulgação)

O primeiro deles, Faça a Coisa Certa, de Spike Lee, foi exibido nesta sexta (11), no São Luiz. O longa, que trata da luta pelos direitos dos negros nos EUA, teve um impacto ainda maior na tela grande e com cópia restaurada em altíssima resolução. Um tipo de experiência que nenhum televisor gigante e caríssimo pode proporcionar.

Leia Mais
Longa A Cozinha, primeiro longa dirigido por Johnny Massaro, estreia no Festival do Rio