Juvenil Silva lança novo EP, Isolamento Acústico, em meio ao distanciamento social imposto pelo novo coronavírus.

O artista se viu em meio a uma crise vivida por muitos artistas, que é o escoamento da produção e também a própria sobrevivência, com o fim de shows e eventos. “Havia um disco para lançar, mas não havia sentido. Eu não iria poder fazer shows, cópias, vender, pegar a estrada, trabalhar. Aproveitando uma aceitação maior das realidades e possibilidades virtuais, veio o plano B: a ideia de um disco virtual, que não terá edição física”, diz Juvenil sobre o que o levou a fazer o EP.

Ouça mais novidades musicais na nossa página Novos Sons!
Leia mais críticas de novos discos aqui na Revista O Grito!

Isolamento Acústico não estará nas plataformas digitais de streaming. Ele será distribuído, a partir do dia 1º junho (segunda), apenas para quem comprá-lo. “Não entregarei a obra de bandeja nas plataformas digitais para o banquete gratuito dos consumidores de arte. Infelizmente, isso alimenta apenas meu ego com likes e views, e eu vou seguindo cada vez mais de mãos e barriga vazia”, explica sobre o EP, que é, também, uma estratégia para rentabilizar o seu trabalho.

A compra do EP é bem simples: basta entrar em contato com Juvenil, através dos seus canais de comunicação: Instagram e sua página do Facebook. Quem comprar Isolamento Acústico receberá o EP via e-mail, com as faixas e encarte completo (letras, cifras e ficha técnica).

Isolamento Acústico é um trabalho que reflete, em “tempo real”, o contexto de distância e confinamento a que grande parte da humanidade está submetida. “É um disco de canção e solitude existencialista”, declara Juvenil. “Eu poderia chamar amigos para participar e gravar arranjos em seus home studios, para somar. Mas decidi encarar e explorar minhas limitações: minha voz, meus dedilhados desconexos num violão de aço… às vezes, folk; às vezes, nem tanto. Canções psicodélicas e apocalípticas”, conclui.

Leia Mais
Projeto literário “Botão Vermelho” une escritores e cientistas contra o obscurantismo no Brasil