A banda pernambucana Kalouv completa 10 anos e lança “Talho”, single com tom de nostalgia, criado em parceria com a banda goiana Boogarins. A música representa um novo passo para o grupo, que apresenta pela primeira vez, um trabalho com letra e voz. A canção traz clipe com colagens de imagens que revisitam momentos vividos pela banda, nos últimos dez anos. O clipe é montado e editado por Luara Olívia com finalização por Jão Vicente.

Com uma história completamente ligada à música instrumental, tendo três álbuns e um EP lançados, com “Talho”, a traz um frescor ao seu modo de criação, mixando ritmos muito mais dançantes e influências que remetem à música brasileira dos anos 70 e 80. A banda também se afasta momentaneamente do post-rock e além dos instrumentos de origem dos seus integrantes, como guitarra, teclado, sintetizador, baixo e bateria, a composição ganhou elementos percussivos, com a inclusão de ganzá, garrafas e metalofone.

“Musicalmente falando, é uma faixa que simboliza uma extensão do que a Kalouv desenvolveu nos últimos anos. Saindo da vibe mais introspectiva dos primeiros trabalhos para uma composição que remete a elementos da música brasileira, do R&B e do indie pop. O metalofone e as percussões também trazem novas cores para o nosso som. A identidade da Kalouv está preservada, com elementos do math rock e do post-rock, mas acredito que é como se nossa música pudesse ser visualizada de outra perspectiva”, comenta Túlio Albuquerque, guitarrista da Kalouv.

A música foi composta ainda no ano passado, sendo a última faixa com participação do Saulo Mesquita, que deixou o grupo para tocar projetos pessoais e deu lugar ao guitarrista Matheus Araújo. A canção fala sobre partidas, cortes, encontros e a percepção do que é sonhar junto.

“O processo começou a fluir quando fomos fazer um show do Boogarins em Recife e os meninos falaram o motivo da música. Talho tem essa coisa de corte de relação, porque um deles estava indo morar em Portugal. Foi aí que tudo fechou. Tinha acabado de chegar de uma tour e tinha muitos áudios de saudades dos amigos, no WhatsApp. Foi a partir daí que os versos começaram a surgir”, conta Dinho Almeida vocalista da banda Boogarins.

“Talho é um nome que remete a corte e faz paralelo justamente ao que passamos com a saída de Saulo, que foi atrás de novos rumos profissionais fora do país. A Kalouv é uma banda que manteve a formação desde 2010 e essa transição é algo novo pra nós. Mas o corte não é necessariamente uma ferida. Se você pensar na poda de uma árvore, é como se em cada parte cortada pudessem brotar novos ramos. Uma metáfora do que seriam novas histórias, novas ideias. Tudo junto traz uma leveza que nos deixa muito felizes”, reforça Túlio Albuquerque.

Leia Mais
Um papo com o quadrinista Lino Arruda: “Me interessa produzir algo que alimente a minha comunidade, que possa reverberar na experiência de outras pessoas trans”