voltou a comentar a carta aberta que escreveu na última quinta (22), em que reclamava das acusações de glamurizar o abuso. A cantora foi acusada de racismo por citar nomes como Beyoncé, Doja Cat, Cardi B e Nicki Minaj em sua fala.

“Elas podem cantar sobre sexo, traição, mas eu não posso cantar sobre meus relacionamentos”, disse Lana. “Cara, é triste transformar isso em um problema sobre mulheres de cor, quando na verdade eu estava falando das minhas cantoras favoritas. Eu poderia escolher literalmente QUALQUER uma, mas escolgi a porra das minhas favoritas”, disse.

Lana postou duas respostas a um story no Instagram (o Papel Pop publicou os prints).

“É exatamente o ponto do meu post, há certas mulheres que a cultura não quer deixá-las ter sua voz e isso pode não ter a ver com raça. Não sei o que isso tem a ver. Eu não me importo mais, mas nunca, nunca, nunca, nunca me chame de racista porque isso é uma besteira. E minha última e final consideração sobre tudo: quando eu disse que pessoas que se parecem comigo eu quis me referir a pessoas que não se parecem fortes ou necessariamente espertas, ou que estão no controle, etc. É sobre lutar por uma personalidade mais delicada, não por uma mulher branca. Obrigada.”

Lana anunciou seu novo disco para dia 5 de setembro. Ela também prepara um livro de poesias, onde deve refletir mais sobre esses sentimentos mencionados em sua carta.

Leia Mais
Universo Guará abre convocatória para quadrinistas brasileiros