Estrela Ludivine Sagnier é o grande chamariz desse filme. (Divulgação).

Lola e Seus Irmãos é uma típica comédia sem pretensões (até demais)

Com um roteiro previsível, filme conta as desventuras no cotidiano de três irmãos

Lola e Seus Irmãos é uma típica comédia sem pretensões (até demais)
2

Lola e Seus Irmãos
Jean-Paul Rouve
FRA, 2021, 1h45, 12 anos. Distribuição: Pandora Filmes
Com Ludivine Sagnier, José Garcia, Jean-Paul Rouve

Parece que o cinema francês conseguiu emular e atingir um certo patamar e status de “cinema industrial”, nos moldes do norte-americano. Ou seja, partem da ideia de fomentar e alimentar a sua própria produção, criação e obras audiovisuais que talvez, pelo menos no ocidente, não seja um modelo tão comum de se observar em outras filmografias de diferentes países. Percebe-se isto pois há uma série de projetos e lançamentos franceses a partir de uma espécie de “cinema médio”, este referente a um tipo de produção com orçamento não tão pequeno, para ser considerada independente, e nem tão alto para caracterizar um caso de blockbuster de verão.

O “mediano”, neste contexto, diz respeito tanto ao custo do filme e suas pretensões mercadológicas em atingir uma parcela específica do público, mas também pode ter a ver com a qualidade temática e de narrativa da própria trama da história. Romances e comédias parecem escorregar com frequência neste padrão de feitura, e a tradição cinematográfica francesa, tão apontada e reverenciada por sua capacidade inovadora em vários aspectos, também consegue entregar projetos “médios”, como este Lola E Seus Irmãos, que estreia nesta sexta no país. 

Leia mais: Críticas de cinema

Como o título já aponta, temos aqui um enredo a respeito de um núcleo familiar, algo tradicional e dramaturgicamente bastante frequente em qualquer cinema, seja de que país for. Relações familiares engajam e suscitam constantemente um tipo de identificação entre as pessoas. Aqui há um tipo de protagonismo em conjunto, com o trio de irmãos do título, com um leve destaque para Lola, a única mulher entre os três. Advogada, demonstra bastante paixão pela profissão; assim como seu irmão Benoît, dono de uma ótica e bastante destrambelhado no novo casamento. Quem fecha o grupo é Pierre, o mais velho, recém-demitido de um emprego de muito tempo na construção civil, e pai de um adolescente carismático.

Situações do cotidiano farão com que os três acabem vivenciado momentos em que precisarão do apoio e segurança um do outro. Ludivine Sagnier (paixão de muitos millennials fãs incondicionais de vários de filmes protagonizados pela atriz, como As Canções de Amor (2007) dá graça e brilho ao longa, e sua presença é afetuosa; com o resto do elenco a acompanhando como pode. 

Lola E Seus Irmãos é uma comédia convencional e completamente previsível, com alguns diálogos inspirados e um verniz fofo e leve completamente harmoniosos com aquela noção colocada mais acima de “filme mediano”. É um produto algo esquecível, talvez presente no circuito apenas para cumprir uma certa cota de produção anual do cinema francês, mas com espaço cativo e esperado pela audiência acostumada com as já comédias românticas do país. Uma distração inofensiva, que entrega exatamente aquilo que se espera dela. 

Leia Mais
Festival de Cinema de Vitória anuncia longas e curtas selecionados para Mostras Competitivas