Filme é um dos destaques da seleção este ano. (Divulgação).

Longa Fritzi – Uma História Revolucionária, que se passa na Alemanha da Guerra Fria, é destaque do Animage 2022

Filme é contado através do olhar de uma garota de 12 anos. A sessão no Festival acontece neste sábado (19), às 20h, no Cinema da Fundação Derby

O Festival Animage um dos maiores do segmento animação do Brasil, está levando longas e curtas de todo o país e do mundo em sessões no Teatro do Parque, Cinema da Fundação Derby e Cinema da UFPE, até este domingo (20). Um dos destaques da programação é o longa Fritzi – Uma História Revolucionária, dos alemães Matthias Bruhn e Ralf Kukula. 

O filme, lançado em 2019, se passa na Alemanha de 1989, quando, em meio a Guerra Fria, o muro de Berlim dividia o país em lado Ocidental e lado Oriental. Nesta época, um grupo de manifestantes já regia o movimento da “Revolução Pacífica” na Alemanha Oriental (construtora da fronteira), e foi o responsável pela queda do muro, e consequentemente, pela mudança na história do país.

O roteiro da produção conta a história de Fritzi, uma garota de 12 anos que mora em Leipzig, na Alemanha Oriental. Ela, que ficou responsável por cuidar do cachorrinho da melhor amiga Sophie, quem viajou de férias para a Hungria, se vê intrigada, ao perceber que sua colega não voltou para a escola depois dos feriados. A partir disso, Fritzi inicia uma jornada aventureira de buscas por Sophie a fim de entregar o pet. O destino da aventura acaba sendo a fronteira e por consequência, o meio da “Revolução Pacífica”.

“Quando tudo isso aconteceu, nós, os diretores, éramos jovens. Um vivia na Alemanha Oriental, e o outro na Ocidental. Em 2010, nos juntamos para fazer este longa. A produção é uma colaboração entre esses dois lados do muro, o que só foi possível depois de tudo o que aconteceu”, disseram Matthias Bruhn e Ralf Kukula, em entrevista por e-mail para a Revista O Grito! 

No início, a motivação principal da produção era informar as crianças sobre um evento histórico importante que mesmo que elas não soubessem, moldou suas vidas. Os diretores perceberam que ao longo do processo, o cenário mundial moldou os propósitos do filme.

Filme ainda ressoa questões urgentes de hoje, com o aumento da intolerância no mundo. (Divulgação).

“Logo reconhecemos que Firtzi não é só um filme sobre um acontecimento histórico. Hoje, ainda lidamos com o aumento da violência e da intolerância ao redor do mundo, com situações em Israel e na Coreia dividida, como referências. Quando lançamos o filme em 2019, a ‘Parede Mexicana’ construída pelo governo Donald Trump estava muito em alta. O filme parecia ser lançado num momento em que tal história, como a de Fritzi, precisava oferecer ao mundo uma visão positiva.”

Fritzi não é apenas uma história sobre amizade, é mais sobre a coragem de defender o que você sabe que é certo”, contaram os cineastas. “Isso acarreta muita coragem para confrontar escola, professores, sua própria família e todo o sistema. Por se posicionar, Fritzi faz as coisas se movimentarem. Este drama com temas como liberdade, fronteiras, fuga e amizade é contada de forma amigável, como uma criança contaria. Isto oferece um repertório amplo para o público”, completaram.

Matthias Bruhn e Ralf Kukula contaram estar felizes com a oportunidade da audiência brasileira assistir ao filme. Fritzi – Uma História Revolucionária será exibido neste sábado (19), dentro da programação do ANIMAGE, às 20h, no Cinema da Fundação Derby. A sessão é gratuita. 

“O aspecto moral do filme foi escrito pela história do mundo: Fronteiras podem ser superadas e a liberdade pode ser alcançada – basta um só começar a defender isto!”, finalizaram os diretores. 

Leia Mais
Crítica: A Sociedade do Medo reflete sobre o nosso temor cotidiano