Luke Giles, novidade da cena pop recifense, lança o misterioso EP”Amortentia”

O músico se inspirou na poção do amor citada nos livros do Harry Potter

O EP contém três faixas (Foto: Leandro Cardoso/Divulgação)

O cantor e compositor recifense Luke Giles lançou o EP Amortentia – inspirado na poção do amor citada nos livros do Harry Potter, com canções que transbordam amor e suas fases: o desejo, a paixão e a saudade.

Inspirado por sonoridades como Reginaldo Rossi, Duda Beat, Rita Lee, Jonnhy Hooker, Katy Perry, Coldplay, Pabllo Vittar, Anitta, entre outros. São ao todo três faixas (“Sorte”, “Nosso Amor”, “D`Volta – ft. Phílipe Mendes”). O EP foi produzido por Leandro Aleckrin.

Veja o faixa a faixa:

1 Xícara de Desejo: SORTE

A música SORTE, fala sobre o desejo das pessoas de ser amado e de ter alguém para amar, sobre o quanto são sortudos aqueles que amam. Por meio de um som cheio de swing, alegria e palavras com um duplo sentido, a primeira faixa te convida a dançar, a desejar um gole dessa porção do amor.

2 colheres de Paixão: NOSSO AMOR

Essa música foi escrita e composta como o intuído de se tornar uma marcante declaração de amor, nela apresenta os mais sinceros sentimentos por quem o compositor está apaixonado. O amor é um vício, uma droga, uma cura para muitas doenças no mundo mas a sua falta pode ser trágica. Nosso amor, conta relatos de uma história real de amor com um toque poético. Um abraço musical.

Luke possui também mais dois singles: “Agora é a Hora” e “Não diga que não” (Foto: Leandro Cardoso/Divulgação)

3 gotas de Saudade: D’VOLTA

Uma hora o efeito da porção mágica chega ao seu fim, deixando um gostinho doce na boca com notas de saudade. A última faixa do EP traz uma melodia melancólica e uma letra muito profunda, uma versão ainda não ouvida pelo público do Luke. Composta e cantada também pelo Phílipe Mendes, a música fala sobre a perda desse amor continuo, a falta da pessoa amada. As boas lembranças são aquilo que devemos guardar em nossos corações.

Leia Mais
Viola Davis fala sobre Mulher Rei: “espero que o filme ajude mulheres negras a enxergarem seu poder”