Medida Provisória, filme distópico de Lázaro Ramos, finalmente ganha data de estreia

Estreia na ficção do ator e diretor estreia nos cinemas no dia 14 de abril

Taís Araújo em cena do filme. Foto: Mariana Vianna.

Medida Provisória, primeiro longa de ficção de Lázaro Ramos, finalmente ganha trailer e data de estreia: 14 de abril de 2022. O filme tem como protagonistas Taís Araujo, Alfred Enoch, Seu Jorge, Adriana Esteves, Renata Sorrah e Emicida. O enredo se passa num futuro distópico em que o governo brasileiro decreta uma medida que obriga os cidadãos negros a voltarem à África como forma de reparar os tempos de escravidão – a partir desse conflito e da história de amor vivida pelos personagens de Taís e Alfred, o filme debate questões sociais e mistura humor, drama e thriller.

Segundo Lázaro Ramos, o filme recebeu censura da Ancine (Agência Nacional do Cinema) e demorou anos para conseguir autorização para entrar em circuito comercial.

O roteiro é baseado no sucesso teatral brasileiro Namíbia, Não! (2011), de Aldri Anunciação – que também integra o elenco como ator. Lázaro adaptou o texto para o cinema em 2015, sendo filmado em 2019 em diversas locações na cidade do Rio de Janeiro.

A trilha sonora tem direção musical assinada por Plínio Profeta, Rincon Sapiência e Kiko de Souza, que pinça para o espectador canções nas vozes de nomes como Elza Soares, Xênia França e Liniker – coube a Plínio trazer a carga cinematográfica necessária e a dupla Rincon e Kiko a busca por sonoridades do hip hop paulista contemporâneo.

Medida Provisória passou por diversos festivais internacionais, sempre com boa recepção da crítica especializada. Ainda em 2020, no Indie Memphis Film Festival, nos Estados Unidos, Medida recebeu o troféu de melhor roteiro para Lázaro Ramos e Lusa Silvestre e os corroteristas Aldri Anunciação e Elísio Lopes Jr. no Pan African Film, em Los Angeles, realizado em 2021, recebeu dois prêmios: de melhor direção e de melhor ator para Alfred Enoch. No Festival de Huelva, na Espanha, também recebeu os prêmios de direção e de melhor ator para Alfred Enoch, já no Festin Festival, ocorrido em Lisboa , Lázaro Ramos recebeu o prêmio de melhor realizador.

“É uma distopia assim como tantas outras do audiovisual, entre elas The Handmaid’s Tale e Black Mirror. É um texto que veio do teatro, em 2011, pensando um futuro impossível de acontecer. Infelizmente de lá pra cá muito se assemelha a pontos da história contemporânea e, aí, a ficção, mais uma vez, se confunde com a realidade”, disse Lázaro, por e-mail.

Veja o trailer:

Leia Mais
Björk reflete sobre o amor no novo single e clipe “Ovule”