babenco

O cineasta Hector Babenco morreu na noite desta quarta (13), aos 70 anos. Ele sofreu uma parada cardíaca por volta das 23h e chegou a ser levado para o hospital Sírio Libanês, mas não resistiu. A informação foi confirmada por sua ex-mulher, Raquel Arnaud, à Folha de S. Paulo.

Nascido na Argentina em 1946 e naturalizado brasileiro, Babenco foi um dos mais importantes cineastas do Brasil. Com O Beijo da Mulher-Aranha, estrelado por Sônia Braga e William Hurt ele ganhou uma indicação ao Oscar de melhor diretor.

Seu filme mais conhecido, no entanto, foi Pixote: A Lei do Mais Fraco, de 1982, em que conta a história de um menino pobre e sua relação afetuosa com uma prostituta vivida por Marília Pêra.

Outro grande sucesso de sua carreira foi Carandiru, de 2013, onde refaz o trágico massacre no presídio paulistano.

O primeiro longa de sua carreira foi O Rei da Noite, de 1975, com Paulo José e Marília Pêra, sobre a decadência de uma família tradicional paulistana. Outros longas de sucesso de Babenco estão Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1997), Ironweed (2003) e O Passado (2007).

Seu último longa foi Meu Amigo Hindu, que conta a história de um cineasta, interpretado por Willem Dafoe, lidando com um tumor bastante agressivo.

Essa história teve ares autobiográficos. Babenco sofreu com um câncer linfático nos anos 1990, o que o levou a um processo de quimioterapia.

Veja a repercussão da morte do cineasta:

Veja o trailer do último filme do diretor:

https://www.youtube.com/watch?v=z9nPXqpagHg

Leia Mais
Virtuosi Brasil celebra nova geração de solistas e instrumentistas mulheres