Maya nos anos 1960. (Reprodução/Poetry Foundation).
Foto: Reprodução via National Book Foundation.
Foto: Reprodução via National Book Foundation.

Morreu nesta quarta (28) a poeta e militante dos direitos humanos Maya Angelou, aos 86 anos. Segundo agências internacionais, ela foi encontrada morta por sua enfermeira e a causa de sua morte ainda não foi revelada.

Ela ficou conhecida por seu trabalho na luta pela igualdade racial e foi colega de ativismo de nomes como Martin Luther King e Malcom X. Maya nasceu no Missouri, nos EUA e atuou como cantor, atriz e compositora. Chegou a vencer um Grammy e foi a primeira motorista negra em São Francisco.

O seu primeiro livro foi o autobiográfico I Know Why The Caged Bird Sings (Eu sei porque o pássaro engaiolado canta), de 1969, onde conta detalhes trágicos, como quando foi estuprada aos sete anos pelo namorado da mãe. Por sua atuação política, chegou a fazer parte dos comitês dos governos dos presidentes Gerald Ford (1975) e Jimmy Carter (1977). Em 2010, recebeu de Barack Obama a medalha mais importante dos EUA, o “Presidential Medal Of Freedom.

“Os membros da Universidade Wake Forest choram hoje a morte da poetisa, autora, atriz, militante de diretos humanos e professora Maya Angelou”, disse o comunicado da instituição onde dava aula, na Carolina do Norte, EUA. [Via AFP, Reuters]

Maya nos anos 1960. (Reprodução/Poetry Foundation).
Maya nos anos 1960. (Reprodução/Poetry Foundation).
Leia Mais
Livro-arquivo “Bcubico” homenageia a arte pernambucana