Cena de Nego Fugido, da Bahia. (Foto: Divulgação).

Cena de Nego Fugido, da Bahia. (Foto: Divulgação).

A 4ª anunciou a programação completa deste ano, que terá como tema “Direitos Humanos”. O evento exibe filmes em diversas cidades do Interior de Pernambuco, começando por Condado e Goiana e terminando em Nazaré da Mata.

A curadoria da mostra oficial da 4ª Mostra Canavial de Cinema é do jornalista e crítico Rodrigo Almeida. Dentro da proposta do evento, foram preparados dois programas. “Do Canavial Para o Mundo” conta sete curtas: a animação Somos Somos (PE), de André Pyrrho e Paulo Leonardo; Nego Fugido (BA), de Cláudio Marques e Marília Hughes; Sophia (PB), de Kennel Rógis; Nº 27 (PE), de Marcelo Lordello; Malha (PB), de Paulo Roberto; À Margem dos Trilhos (PE), de Marcelo Pedroso e Pedro Severien; e A sombra de um delírio verde (MS), de An Baccaert, Cristiano Navarro, Nicola Mu.

Outros sete títulos formam o programa “Do mundo para o canavial”: Ameaçados (PA), de Júlia Mariano; Menino Aranha (PE), de Mariana Lacerda; O anão que virou gigante (RJ), de Marão; Marina não vai à praia (MG), de Cássio Pereira dos Santos; Eu não quero voltar sozinho (RJ), de Daniel Ribeiro; Ensaio sobre minha mãe (RJ), de Jocimar Jr; e O Clube (RJ), de Allan Ribeiro.

Malha, curta de Paraíba. (Divulgação).

Malha, curta de Paraíba. (Divulgação).

A organização da Mostra Canavial também montou uma mostra especial para o domingo (9/11) no Cineteatro Polytheama, em Goiana, com o longa Brasil S/A, de Marcelo Pedroso, e dois curtas produzidos na região: Paraíso dos Homens (PE), de Tony Rodrigues, sobre a arte a exploração em torno do sistema canavieiro, e O que se memora (PE), de Caio Dornelas e Ernesto Rodrigues, sobre personagens que se lembram e ainda se relacionam com cinemas que fecharam as portas: Urubatã (Goiana), Recreio Benjamin (Timbaúba) e Cine Lux (Nazaré da Mata).

“Da escravidão canavieira aos dias de hoje, a Zona da Mata Norte está historicamente pautada por relações de violência, sejam elas pessoais, econômicas ou políticas”, diz Caio Dornelas, idealizador e diretor da Mostra Canavial. “Já vínhamos discutindo isso desde a primeira edição da mostra, pois uma de nossas marcas é a discussão política bem delineada. Acreditamos que ações não podem ser só estéticas ou só políticas. Não dá pra separar arte da transformação social”.

Curta "Eu Não Quero Voltar Sozinho" será exibido no interior. (Divulgação).

Curta “Eu Não Quero Voltar Sozinho” será exibido no interior. (Divulgação).

Sem mais artigos