A imagem "Possessão por Ogun", presente na mostra. (Divulgação).
A imagem "Possessão por Ogun", presente na mostra. (Divulgação).
A imagem “Possessão por Ogun”, presente na mostra. (Divulgação).

O Laboratório de Antropologia Visual (LAV) da Universidade Federal de Pernambuco inicia nesta segunda (29) uma exposição do olhar do fotógrafo Pierre Verger sobre os cultos Afro-Brasileiros no Recife. A expo serve também como homenagem ao centenário do antropólogo recifense René Ribeiro.

A exposição conta com fotografias pioneiras como o transe nos rituais afro-brasileiros. A exposição homenageia o centenário do médico, professor e antropólogo da cidade do Recife René Ribeiro, que colaborou com Gilberto Freyre com a implantação do Instituto Joaquim Nabuco, atualmente Fundação Joaquim Nabuco, sendo o primeiro diretor do Departamento de Antropologia.

Pierre Verger (1902-1996), chegou ao Brasil em 1946 e logo manteve contato com Gilberto Freyre (1900-1987) que o propiciou os primeiros contatos com os cultos afro-brasileiro no Recife. Verger já havia tomado conhecimento por meio de seu amigo antropólogo francês Roger Bastide (1898-1974). No Recife, Verger frequentou várias terreiros, acompanhando o antropólogo pernambucano René Ribeiro (1914-1990) em suas incursões etnográficas.

Esse conjunto de fotos da exposição foi publicada na primeira edição do livro de René, intitulado Cultos Afro-brasileiros do Recife, de 1952. As fotos foram pioneiras na sua temática por se tratar de um tema que na época era pouco explorado e ainda hoje pouco conhecido do grande público: o transe no campo ritual afro-brasileiro.

A exposição fica em cartaz até o dia 14 de dezembro de 2014, com o horário de visitação de segunda a sexta-feira, das 08h às 21h. As fotos serão expostas na Galeria da Biblioteca Central da UFPE, na Cidade Universitária, na Várzea.

Leia Mais
Museu no Recife joga luz sobre a importância das parteiras para a cultura popular