O novo disco de , Voando Baixo, chega como uma crônica do Brasil caótico de 2021. O rapper traz doze faixas sobre um país desestabilizado, com letras que soam como um despertar coletivo.

O álbum foi gravado em formato híbrido no Rio de Janeiro em Fevereiro de 2021, seguindo os protocolos de saúde pública sugeridos pela OMS. “Mesmo de forma isolada eu quis estar mais próximo do dia a dia das pessoas comuns, e quando você dá um voo rasante, você fica conectado com a realidade delas”, declara o rapper, por e-mail.

Papo com Thiago Pethit: “Esperança e acolhimento também são resistência”

Aos 38 anos, o artista paulista Thiago Pethit é uma verdadeira sinestesia entre teatro, literatura e música. Considerado um dos melhores autores da cena indie de São Paulo que emergiram neste início de século, Pethit participou da última edição do Coquetel.EXE, em março de 2021. O artista ministrou um vídeo/oficina ensinando técnicas de preparação, respiração e expressão corporal para apresentações em público. Tudo de forma virtual, claro, em virtude das medidas de distanciamento social impostas pela pandemia de Covid-19. “São […]

Read more

Já o conceito é estruturado na solidariedade. “As pessoas em casa precisam de alento, que também pode vir da música. Talvez o conforto esteja no meu trabalho. Quero entregar uma experiência musical que possa mobilizar as pessoas para uma vida melhor”.

A produção musical, mixagem e masterização é de DJ Caique, (exceto a faixa 5 por Tibery); e capa de Pomo Estúdio. Assinam participações especiais os rappers Kmila CDD (RJ), Nocivo Shomon (SP), ADL (RJ), Stefanie (SP), Bob do Contra (RJ) e DJ Luciano Rocha (SP).

Voando Baixo já está disponível em todas plataformas digitais, via ONErpm.

Veja o faixa a faixa:

1. Esgrima

“Esporte que simboliza a luta, o espírito do disco. A faixa é um apanhado de entrevistas importantes que concedi, com samples de Marília Gabriela, Faustão e Pedro Bial. Refresco a memória de quem não se lembra ou não sabe da minha trajetória midiática. Termina com o rapper Ligado, que saiu de Fortaleza para o Rio de Janeiro em 1990, para divulgar o trabalho dele no meu programa de rádio”.

2. Bocejo

“Descrevo uma pessoa num barco rodeado por lama ao invés do mar azul, para conclamar o grande despertar coletivo. É a única salvação possível para uma nação que só afunda”.

3. Nóiz Mermo (participação ADL)

“A letra expressa a indignação coletiva com a gestão pública e as consequências na política social do Brasil. Quem está ao lado do povo, fazendo por ele, é o próprio povo. Uma gíria familiar que define essa auto-representação nomeia a faixa”. 

4. Nossa Lei (part. Kmila CDD e Stefanie)

“Nessa eu divido os vocais com dois talentos femininos do rap – minha irmã Kmila CDD que já participou de vários trabalhos meus e tem uma voz muito marcante, e a outra é a rapper Stefanie de Santo André (SP) que tem um flow único e forte. As nossas três vozes juntas mostram o poder e o tamanho da nossa força, da Nossa Lei.”

5. Milicítico (part. Bob do Contra)

“Indignação coletiva perante a atual governabilidade brasileira, que traz à tona injustiças sociais, violências, apatias e desigualdades. Uma das músicas com discurso mais forte, força instrumental, suavidade no refrão e agressividade na letra”.

6. Essência

“Trago quatro mulheres da Cidade de Deus, que exaltam a sagacidade de suas origens e potência vocal. Três delas me carregaram no colo e uma estudou comigo.”

7. Sintonia Real (part. Filiph Neo)

“Explora a sintonia física, carnal e picante, importante para uma relação entre casais, sem se prender a clichês.

8. Última Forma 

“Fala justamente quando o casal só tem sintonia sexual e não tem a objetividade de construir um futuro. Cristina, minha vizinha na Cidade de Deus, mostra a indignação feminina em uma atuação”.  

9. No Calor da Emoção (part. Marrom)

“Quando a pessoa recebe a notícia de que ela não faz mais parte dos planos do seu parceiro e cai na dor de cotovelo. Chamei o Marrom, ex vocalista da banda RZO, para uma pegada rap com elementos de jazz e blues”.

10. Rasante (part. DJ Luciano Rocha)

“Uma alusão ao título do disco. É como se eu tivesse passando de carro com microfone e alto-falantes atrás vendo as mazelas do Brasil na paisagem das favelas. No refrão, fui nos primórdios do hip hop. O DJ Luciano faz scratches com colagens de outras músicas minhas ao mesmo tempo dialogando com o que canto.” 

11. Voz de Cria (part. Kmila CDD e Nocivo Shomon)

Como pessoas de dentro, temos nossos protocolos para não cair na vacilação. Nosso vacilômetro está sempre alerta para não dar mole, porque a gente é cria. Conto com os vocais poderosos da Kmila e a lírica do Nocivo Shomon”.

12. Muito obrigado – RIP

“Última faixa do disco e a última que escrevi dentro do próprio estúdio. Deixei a batida rolando, enquanto me lembrei das pessoas que se foram e acabaram esquecidas. Queria agradecer a todos que me ajudaram e não estão mais aqui. Listo alguns nomes que vieram na minha cabeça do Brasil e dos Estados Unidos, nossa referência no rap”.

Leia Mais
Felipe Neiva reflete sobre temas pandêmicos no projeto audiovisual “Karaokê Neiva”