Completando 18 anos de estrada, a artista pernambucana Luanda Luá celebra o seu mais novo projeto, intitulado . O EP já está nas plataformas digitais marcando nova fase na carreira da cantora e compositora. A proposta de C.O.R.P.O explora com leveza e qualidade
as composições da Luanda e parceiros, culminando numa mistura original e potente que une
suavidade e a força.

Luanda é artista independente e conheceu a arte ainda criança, aos cinco anos, no coral da igreja, e foi diretamente influenciada pela diversidade musical de seu pai. Participou de projetos como o Agreste Mulher (2018), Elas Cantam Capiba (2019) e Noites Sem Fim, com Geraldo Maia (2019) e, em 2021, ela lança seu projeto solo de estreia.

Partindo de um repertório fluido e produção íntegra com influências que passeiam pelo rock e ska e cantores como Tulipa Ruiz e Café Preto, a artista, que exibe em suas apresentações o vigor e expressividade desenvolvidos nas quase duas décadas de atuação com a banda de hardcore Mennarca e no tráfego pelo circuito underground da região Agreste, explora no repertório de C.O.R.P.O uma celebração sonora que aborda nas letras sensíveis a diversidade dos corpos e a potência dos sentidos e afetos, buscando a liberdade de experimentar e sentir, mostrando que um corpo dissidente pode e deve ocupar qualquer lugar.

A produção musical é assinada pela dupla Eduardo Souza e Wagner Melo, do Estúdio Uala Records onde é destacável a potência da voz de Luanda e a utilização de sintetizadores e guitarras para ir até sons mais densos, captados em conjunto com a banda que acompanha a artista, formada por Adriano Silva (guitarra solo e baixo) Tayná Lima (guitarra base) e Marco Arruda (percussão).

O projeto gráfico do EP foi assinado por Lívio Fabrício e Taísa Silva, que construíram a identidade com base em ensaios inspirados nas letras e sonoridade do projeto.

O lançamento contou com incentivo da Lei Aldir Blanc do município de .

Leia Mais
Crítica-Disco: Aaron Frazer vai além do retrô na ótima estreia “Introducing…”